Em Hong Kong, centenas vão às ruas pedir mais democracia

A polícia estava em alerta para evitar uma repetição dos acontecimentos do ano passado, quando manifestantes bloquearam as principais vias

Hong Kong – Centenas de ativistas pró-democracia se reuniram perto da sede do governo local de Hong Kong, nesta segunda-feira, em meio a forte esquema de segurança, para marcar o primeiro aniversário das manifestações que paralisaram partes da cidade, controlada pelo governo chinês.

A polícia estava em alerta para evitar uma repetição dos acontecimentos do ano passado, quando manifestantes bloquearam as principais vias para pressionar pela democracia plena, em manifestações que se tornaram o maior desafio político para os líderes do Partido Comunista da China em décadas.

Barreiras de metal foram colocadas em locais-chave, incluindo a sede do governo e as imediações do gabinete do dirigente de Hong Kong, Leung Chun-ying, embora ativistas tivessem declarado não ter nenhum plano para voltar a ocupar as ruas no centro financeiro da cidade.

“Acho que nosso objetivo em todo o movimento, a começar do Ocupe o Centro, é despertar o público de Hong Kong em geral para a importância da democracia”, disse Benny Tai, um dos cofundadores dos chamados protestos Ocupe.

“Acho que foi alcançado muito mais do que o esperado.” Multidões se reuniram em meio a um calor sufocante, com muitos carregando guarda-chuvas amarelos – um símbolo da luta pela democracia – e outros com cartazes retratando Leung como o diabo.

Os protestos do ano passado, durante 79 dias, não conseguiram fazer o governo chinês permitir uma votação plenamente democrática para a escolha do próximo líder da cidade em 2017, em vez de uma eleição com base em uma lista de candidatos pré-selecionados pelas autoridades nacionais, em Pequim, mas muitos dizem que as manifestações provocaram um despertar político.

Apelidado de Movimento Guarda-Chuva porque os manifestantes os usavam para se proteger do gás lacrimogéneo, a agitação foi a pior em Hong Kong desde que a China retomou o controle da cidade da Grã-Bretanha, em 1997.

A ex-colônia britânica voltou para o domínio chinês no âmbito do esquema político chamado “um país, dois sistemas”, que lhe deu leis separadas e um sistema judiciário independente, mas reservou a autoridade principal a Pequim.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s