Epidemia de ebola na África deixa de ser emergência de saúde

Segundo a OMS, a epidemia já não constitui uma emergência de saúde de alcance internacional

Genebra – A epidemia de ebola na África Ocidental já não constitui uma emergência de saúde de alcance internacional, anunciou nesta terça-feira a diretora geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan.

Passados mais de dois anos desde o início da epidemia, a agência de saúde da Organização das Nações Unidas (ONU) considerou a recomendação do Comitê de Emergência de que o surto não é mais uma ameaça global e decidiu diminuir o nível de emergência.

“É com grande satisfação que decidimos que o surto original terminou”, disse o vice-presidente do Comitê, Robert Steffen.

O principal argumento para acabar com o status de emergência internacional é de que as cadeias de transmissão originais que deram início a epidemia foram totalmente eliminadas. Atualmente, há um pequeno foco em Guiné – o país onde tudo começou -, mas este se deve a um contágio através do sêmen de um sobrevivente.

A OMS mapeou que deste foco surgiram oito casos, cinco confirmados e três prováveis (pessoas que morreram antes de poder ser comprovado). Além disso, 900 contatos estão sendo vigiados de maneira intensa para evitar que a doença se espalhe.

A partir de pesquisas, foi possível provar que o vírus do ebola pode permanecer no sêmen dos sobreviventes por até 15 meses, e embora o portador do vírus não manifeste sintomas, pode transmitir à doença ao parceiro sexual ou a pessoas de seu círculo mais próximo. Por esse motivo, a OMS admite que no futuro possam aparecer mais casos.

Tanto Libéria quanto Serra Leoa – os outros dois países afetados pela epidemia – e a própria Guiné anunciaram em várias ocasiões que tinham conquistado o status de país livre do ebola antes de detectar um ressurgimento do vírus.

Perante este desafio, a OMS ainda manterá 1.000 funcionários na África Ocidental para ajudar às autoridades de saúde locais a detectar e lidar rapidamente com os eventuais casos que apareçam no futuro. Dada a nova situação, o Comitê solicitou a “qualquer país que tenha estabelecido medidas de restrição de comércio ou de viagens, que as suspenda imediatamente”.

A epidemia declarada em março de 2014 – com os primeiros casos que se remontam a dezembro de 2013 – registrou 11.300 mortes e mais de 28.500 casos. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s