EUA afirmam ter matado 3 dirigentes do EI

A coalizão liderada pelos EUA matou nas últimas semanas, na Síria e no Iraque, três chefes do Estado Islâmico, segundo o governo americano

Washington – A coalizão liderada pelos Estados Unidos matou nas últimas semanas, na Síria e no Iraque, três chefes do Estado Islâmico (EI), entre eles Abu Salah, um dirigente que controlava as finanças do grupo jihadista, informou nesta quinta-feira o governo americano.

“Matamos mais líderes do EI. Efetuamos bombardeios contra três líderes do grupo. Sua eliminação diminuirá a capacidade do EI para comandar e controlar tropas e financiar seus esforços”, anunciou o porta-voz do Pentágono no Iraque, Steven Warren, em entrevista coletiva transmitida de território iraquiano.

Na entrevista coletiva, projetada no Pentágono, Warren detalhou que a morte de Abu Salah aconteceu no final de novembro e descreveu o dirigente, que tinha pertencido antes à rede terrorista Al Qaeda, como “um dos membros mais antigos e experientes da rede financeira do Estado Islâmico”.

“Salah é o terceiro membro da rede de finanças que matamos nos últimos meses. Matar ele e seus antecessores afeta o conhecimento que a organização necessita para coordenar seu financiamento”, destacou o porta-voz do Pentágono no Iraque.

As forças militares mataram também em novembro Abu Maryam, um “líder de alta categoria” da rede de extorsão do EI, cuja morte diminui a capacidade do grupo jihadista para extorquir a população civil, segundo Warren.

Outro ataque mortal, lançado nas últimas semanas, foi dirigido contra Abu al-Tunisi Wakman, que se encarregava de coordenar a transferência de informação, pessoas e armas dentro do grupo terrorista, de acordo com o Pentágono.

Há mais de um ano, os Estados Unidos lideram uma coalizão internacional que ataca pelo ar as posições do EI com o objetivo de minguar o poder do grupo jihadista, que proclamou no final de junho de 2014 um califado na Síria e no Iraque.

Na semana passada, o presidente dos EUA, Barack Obama, autorizou o envio ao Iraque de um contingente de forças especiais de 100 membros que poderão realizar incursões, libertar reféns, reunir informação de inteligência e capturar líderes do Estado Islâmico.

Esse contingente poderá realizar, além disso, “operações unilaterais” na Síria, onde Obama também autorizou há pouco mais de um mês a presença de um pequeno grupo de forças especiais americanas. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s