EUA rejeitam plano para fechar Guantánamo por alto custo

De acordo com a publicação nova-iorquina, a proposta apresentada pelo Departamento de Defesa chegava a US$ 600 milhões

Washington – O governo dos Estados Unidos rejeitou um plano elaborado pelo Departamento de Defesa para fechar a prisão de Guantánamo, em Cuba, por considerá-lo caro demais, por isso o devolveu ao Departamento de Defesa para que fosse revisado, publicou nesta terça-feira o jornal “The Wall Street Journal” (WSJ).

De acordo com a publicação nova-iorquina, a proposta apresentada pelo Departamento de Defesa chegava a US$ 600 milhões, uma quantia considerada muito alta pela administração do presidente Barack Obama.

Dos US$ 600 milhões orçados para o fechamento da prisão, US$ 350 milhões seriam destinados à construção de uma nova penitenciária em território americano para onde seriam transferidos os presos considerados de maior risco, revelaram funcionários do alto escalão do Departamento de Defesa ao “WSJ”.

A rejeição ao plano apresentado pelo Departamento de Defesa representa um novo empecilho para que Obama consiga cumprir sua promessa de fechar Guantánamo antes do término de seu mandato.

O fechamento da prisão é uma promessa de seu primeiro mandato, mas o projeto sempre foi recebido com rejeição pelo Congresso, especialmente entre os republicanos, que são contrários à transferência dos presos para penitenciárias dentro do território americano.

O custo anual para operar Guantánamo, onde ainda há 107 presos, é de US$ 400 milhões, enquanto o da nova prisão que o Departamento de Defesa propôs construir seria de US$ 300 milhões, mas com um custo adicional de US$ 350 milhões para sua construção.

No último dia 25, Obama assinou o projeto de lei orçamentária para os gastos com defesa de mais de US$ 600 bilhões, apesar de o mesmo conter restrições à transferência de presos de Guantánamo para o território americano, o que atrapalhou diretamente sua meta de fechar a prisão.

Em comunicado, Obama explicou sua decisão de assinar a Lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA, sigla em inglês) porque a mesma inclui “benefícios vitais para o pessoal militar e suas famílias”, e contém “autorizações para facilitar as operações em curso no mundo todo “.

Mas as “restrições contidas nesta lei referentes à prisão de Guantánamo são, como disse no passado, injustificadas e contraproducentes”, ressaltou Obama.

A prisão de Guantánamo chegou a abrigar cerca de 800 presos pouco após sua abertura, ordenada pelo então presidente americano, George W. Bush, após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s