Explosão de ônibus na Tunísia deixa ao menos 12 mortos

Bomba explodiu durante a passagem de um ônibus da guarda presidencial pelo centro da capital da Tunísia

Túnis – Pelo menos 12 pessoas morreram nesta terça-feira na explosão de um bomba durante a passagem de um ônibus da guarda presidencial pelo centro da capital da Tunísia, informaram à Agência Efe várias testemunhas.

Segundo esses relatos, não confirmados por fontes oficiais, se trata de um atentado realizado por um suicida que detonou uma bomba quando o ônibus passava em frente à sede do antigo partido do ditador derrubado, Zine El Abidine Ben Ali, na movimentada avenida Mohammed V.

A maior parte das 12 vítimas mortais do atentado é de agentes da guarda presidencial, segundo disse à Efe uma fonte de segurança, que não descartou que o número possa aumentar nas próximas horas.

Em comunicado, o Ministério do Interior confirmou apenas que se trata de um ataque terrorista, e que entre as vítimas há um número elevado de mortos e feridos.

Walid Louguini, porta-voz do citado ministério, declarou à imprensa local que a primeira informação aponta que há pelo menos 11 pessoas mortas.

Até o local da explosão, que foi já isolado, se deslocaram várias ambulâncias e dezenas de policiais que iniciaram as investigações.

A Tunísia foi palco este ano de dois atentados jihadistas, um em março e outro em junho, que tinham como alvo o turismo e que custaram a vida de 60 visitantes estrangeiros na capital Túnis e na cidade litorânea de Sousse.

No último mês e meio, as forças de segurança tunisianas anunciaram o desmantelamento de mais de uma dezena de supostas células jihadistas e a detenção de mais de meia centena de suspeitos em todo o país.

Além disso, nas últimas semanas tinham posto a cidade em estado de alerta e anunciado que tinham impedido um ataque e efetuado detenções na avenida Habib Bourguiba, outra das principais artérias da capital.

O salafismo radical ressurgiu na Tunísia desde que em 2011 a chamada “revolução de Jasmim” derrubou a ditadura do foragido Ben Ali.

Desde então, grupos jihadistas se assentaram na região de Kasserine, transformada em centro de reunião de radicais de todo o Magrebe.

A Tunísia é, além disso, o primeiro país do mundo em número de voluntários que viajam para lutar junto ao jihadista Estado Islâmico (EI) na Síria, com mais de 5.000 milicianos e colaboradores, dos quais cerca de 15% retornou.

Matéria atualizada Às 16h07

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s