Extrema-direita não vence em nenhuma região na França

"O perigo da extrema-direita não está descartado, longe disso", reagiu o primeiro-ministro socialista, Manuel Valls

A extrema-direita francesa fracassou neste domingo no segundo turno das eleições municipais, ao não conquistar qualquer região, nesta última votação crucial antes da presidencial em 2017, apesar dos resultados históricos no primeiro turno, segundo estimativas dos institutos de pesquisa.

Estes resultados são um verdadeiro golpe para as três fugiras emblemáticas do partido Frente Nacional (FN): sua presente Marine Le Pen, amplamente superada no norte por seu adversário de direita, sua sobrinha Marion Maréchal-Le Pen, que deve perder no sul, e Florian Philippot, figura estratégica do partido, no leste.

Segundo as previsões, a direita e a esquerda conquistam ao menos cinco regiões cada, de um total de treze.

“O perigo da extrema-direita não está descartado, longe disso”, reagiu o primeiro-ministro socialista, Manuel Valls.

Ele saudou um “resultado muito digno”, mas assegurou que “não traz nenhum alívio, nenhum triunfalismo”.

Marine Le Pen denunciou, por sua vez, “um regime agonizante” em uma agressiva declaração. “Nada poderá nos parar”, afirmou.

O líder da oposição de direita, Nicolas Sarkozy, contestado dentro de sua própria formação, considerou que esses resultados não devem, “sob nenhum pretexto, fazer esquecer as advertências” do primeiro turno.

Segundo o cientista político Jean-Yves Camus, o resultado do segundo turno, última votação antes da eleição presidencial de 2017, “tende a confirmar que há um impasse para a Frente Nacional: é um partido com excelentes resultados no primeiro turno, mas não consegue ir mais além”. Para 2017, os institutos de pesquisa apontam Marine Le Pen qualificado para o segundo turno, após chegar em primeiro.

As treze regiões francesas administram um orçamento total de 29 bilhões de euros por ano, e são as únicas instâncias a poder ajudar diretamente as empresas. Também têm competências nas áreas de educação e transporte.

No primeiro turno, a FN conseguiu uma pontuação recorde de quase 28% e primeiro lugar em seis das 13 regiões, e esperava conquistar várias regiões com um discurso anti-europeu e anti-imigração.

O partido tem aproveitado há cinco anos da rejeição de partidos tradicionais impotentes contra a crise econômica, e nos medos provocados pelos atentados de 13 de novembro em Paris (130 mortos).

Cerca de 45 milhões de eleitores foram chamados às urnas. No primeiro turno, um em cada dois deixou de votar.

A mobilização parece ter sido crucial, com o Partido Socialista francês, que governa o país, e a oposição de direita se mobilizam para impedir a vitória da FN, o que reforçaria a posição de sua líder Marine Le Pen para as presidenciais.

Esta semana, o primeiro-ministro socialista, Manuel Valls, advertiu para a ameaça de uma “guerra civil” se a FN tomar o poder, enquanto Marine Le Pen prometeu “destruir a vida do governo” em casa de vitória no norte.

A Frente Nacional adminitra uma dezena de municípios na França, mas nunca dirigiu qualquer região.

Desde 2011, Marine lidera o movimento, trabalhando para dar uma “imagem diferente” deste partido, livrando-se pelo menos parcialmente de ativistas antissemitas, homofóbicos ou nostálgicos da colaboração francesa com a Alemanha nazista.

Esta reformulação resultou em um afastamento e posterior expulsão de seu pai, Jean-Marie Le Pen, após novas declarações polêmicas sobre a Segunda Guerra Mundial.

A 16 meses do primeiro turno da eleição presidencial, para à qual Marine Le Pen está na frente nas intenções de voto, essas eleições regionais têm um significado importante, principalmente para a direita, onde os resultados de 6 de dezembro foram decepcionantes (27%).

Desta forma, a votação pode atrapalhar as ambições do ex-presidente Nicolas Sarkozy (2007-2012), confrontado a dois rivais ferozes, os ex-primeiros-ministros Alain Juppé e François Fillon.

Sua estratégia, que consiste em disputar com a extrema-direita seus temas preferidos (segurança, imigração, identidade nacional), não freou a erosão de uma parte do eleitorado conservador para a FN e divide sua formação.

A postura dos socialistas é interpretada por alguns como uma estratégia que pretende apresentar François Hollande como a melhor barreira contra Marine Le Pen em 2017.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s