Filho de Pablo Escobar acusa “Narcos” de esconder fatos

Em entrevista ao Estado, ele faz sérias acusações aos produtores, ao diretor José Padilha e critica o ator que interpreta seu pai, Wagner Moura

São Paulo – Sebastián Marroquín tem um olhar tenso e quase nunca sorri. Filho do maior traficante de drogas da história, viveu até a morte do pai, em 1993, entre tiros e bombas, primeiro mergulhado nos milhões de dólares que o tráfico rendia a Escobar, depois escondido para não ser alvejado pelo exército de inimigos espalhados pela Colômbia.

Autor da biografia Pablo Escobar – Meu Pai, lançada no Brasil em junho com boas críticas, Marroquín, alcunha que usa para evitar o inferno que se tornou carregar no RG o mesmo nome do pai, acaba de ver a série Narcos, do canal Netflix, com muitas ressalvas.

Em entrevista ao Estado, ele faz sérias acusações aos produtores, ao diretor José Padilha e critica o ator que interpreta seu pai, Wagner Moura.

“Aquilo é um insulto à história da Colômbia e às milhares de famílias de vítimas do narcotráfico. Eles deveriam, primeiro, incluir capítulos para mostrar como a DEA (agência antidrogas dos EUA) cobrava de meu pai impostos para permitir que a cocaína entrasse nos EUA através do Aeroporto Internacional de Miami.” Afirma que há interesses políticos por trás do projeto e que ofereceu ajuda na curadoria, que foi negada pela produção.

A Netflix informou que não se pronunciaria sobre as declarações. Neste momento, Narcos 2 está em fase de gravação, sem data de estreia.

Já o diretor José Padilha respondeu, por e-mail: “Tivemos muitas propostas de ‘consultoria remunerada’ por familiares e ‘amigos’ de Escobar. Todas apresentadas a nós como bem intencionadas, mas sempre buscando remuneração. Algo do tipo: sei o que aconteceu com Pablo. Quanto você me paga para eu te contar?”

Marroquín rebate: “E Padilha crê que estamos no tempo da escravidão? Quer que a gente trabalhe de graça para ele?”

Sobre o conteúdo da série, o diretor afirma: “Consultamos a DEA, que tinha todas as transcrições das gravações interceptadas de Pablo. Não achamos que os filhos de Pablo tivessem plena consciência do que se passava com seu pai. Além disso, as informações de diferentes familiares não batiam umas com as outras”.

Marroquín voltou a responder: “O único que não tem consciência da história é o próprio Padilha. Por acaso ele é familiar de Pablo para conhecê-lo melhor que seus filhos?”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s