Fortes chuvas no Saara deixam 25 mil sem casa e comida

Desde quarta-feira caem fortes chuvas nos campos de refugiados do Tinduf e a maioria ficou totalmente ou parcialmente inundada

Genebra – As fortes chuvas que atingiram nas últimas horas os campos de refugiados do Saara Ocidental afetaram mais de 90 mil pessoas, sendo que 25 mil perderam suas casas e ficaram sem alimentos, segundo denunciou nesta sexta-feira a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

“Tudo ficou destruído, não só as casas, mas os lugares de trabalho, as lojas, as creches, as escolas, os hospitais, as pessoas que estão no meio do nada em um dos lugares mais inóspitos do mundo”, indicou em entrevista coletiva Amin Awad, direto do Oriente Médio e Norte da África da Acnur.

Desde quarta-feira caem fortes chuvas nos campos de refugiados do Tinduf, no sudoeste da Argélia -Auserd, Dajla, El Aiun, Cabo Bojador e Esmara- e a maioria ficou totalmente ou parcialmente inundada.

Apesar de serem registradas poucas precipitações no Saara, quando cai uma chuva, essa pode ser devastadora, dado que os edifícios estão construídos com tijolos de barro, lembra a Acnur.

“O número de pessoas necessitadas de assistência poderia inclusive crescer dado que está previsto que as fortes chuvas continuem até domingo”, acrescentou Melissa Fleming, porta-voz da entidade.

Por enquanto, as vítimas não se lamentaram, mas a situação pode mudar rapidamente dado que a maioria dos refugiados ficou sem reservas de alimentos, acrescentou a porta-voz.

A Acnur enviará nos próximos dias 1,5 mil tendas, e com a colaboração do Unicef e do Programa Mundial de Alimentos (PAM) distribui água e comida aos deslocados.

“Agora o mais importante é reconstruir as latrinas e estabelecer um sistema de distribuição de água potável para evitar doenças relacionadas com a ingestão de água contaminada”, indicou por sua vez Awad.

O responsável solicitou ajuda internacional de emergência à comunidade internacional para os afetados, e lembrou que a situação é desesperadora porque, de fato, nos últimos três anos só se obteve 20% do solicitado pelo Acnur para assistir os campos do Tinduf.

“Nos últimos anos, os casos de desnutrição e de problemas de saúde aumentaram”, disse Awad.

“É preciso lembrar que a crise dos refugiados saaráuis é a mais longa e prolongada da História. É preciso mostrar apoio”, insistiu Awad.

Os refugiados saaráuis começaram a chegar à Argélia em 1975 após o abandono do território do Saara Ocidental por parte da Espanha e a posterior ocupação por parte do Marrocos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s