França e Índia lançam aliança internacional de energia solar

A França, em representação dos países ricos, e a Índia, como promotora da iniciativa, lançaram aliança internacional dedicada à energia solar

Paris – A França, em representação dos países ricos, e a Índia, como promotora da iniciativa, lançaram nesta segunda-feira uma aliança internacional dedicada à energia solar para que as nações desenvolvidas transfiram tecnologia e financiamento às nações mais pobres.

“Trata-se de justiça climática para todos os países da África e da Ásia porque a riqueza do amanhã virá das novas energias que se desenvolvem por todo o mundo, em particular da energia solar”, declarou o presidente francês, François Hollande, durante a apresentação do projeto na Cúpula do Clima de Paris (COP21).

A aliança consistirá em uma “plataforma de cooperação entre os países desenvolvidos que dispõem de tecnologia solar e os que estão em vias de desenvolvimento situados entre o trópico de Câncer e o de Capricórnio que querem desenvolver seu potencial no setor”, segundo a declaração assinada por mais de 30 países, como Chile, Bolívia, El Salvador, Indonésia, Etiópia, Estados Unidos e Nigéria.

“Queremos levar energia solar a nossas casas e vidas, tornando-a mais barata e acessível e colaborando em pesquisa e financiamento para levar bilhões de pessoas à prosperidade”, declarou o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.

O objetivo dessa rede global em favor de uma “vanguarda” de Estados que acreditam na energia solar – a aspiração é chegar a uma centena – é arrecadar “US$ 1 trilhão de financiamento necessário daqui a 2030 para a transferência de tecnologias adaptadas às necessidades específicas de cada país”.

“Nossa ambição passa por assegurar a transferência de tecnologia e garantir que se consiga o financiamento necessário para alcançá-lo”, acrescentou Hollande, acompanhado do ministro das Relações Exteriores francês e presidente da COP21, Laurent Fabius, e do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

A declaração adotada, assinada também por Angola, Burundi, Holanda e Emirados Árabes Unidos, entre outros, ressalta que “a energia solar é a mais abundante das renováveis nos países do Sul, mas as tecnologias e o financiamento ainda são insuficientes”.

Por isso, os signatários impulsionarão “esforços conjuntos” através de “políticas inovadoras, programas, projetos, medidas de reforço de suas capacidades e instrumentos financeiros”, aos quais pedem que se somem empresas privadas e representantes da sociedade civil.

A aliança solar internacional buscará não só “reduzir o custo de financiamento e tecnológico do desdobramento imediato de instalações solares competitivas” nos Estados signatários, mas também “abrir vias a novas tecnologias de produção, de armazenamento e de fabricação de bens sobre a base da energia solar”.

Além disso, será criado “um comitê internacional” para dirigir a iniciativa e fornecer “orientações, instruções e conselhos aos países interessados” em somar-se à proposta, que também é apoiada por empresas como Engie, JP Morgan, Schneider Electric e Areva. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s