Escândalo de gastos derruba governador de Tóquio

Governador de Tóquio, Yoichi Masuzoe, renunciou ao cargo após um escândalo de uso de gastos públicos para despesas pessoais

Tóquio – O governador da região metropolitana de Tóquio, Yoichi Masuzoe, apresentou sua renúncia nesta quarta-feira devido a um escândalo de uso inadequado de dinheiro público, pelo qual corria o risco de sofrer uma moção de censura apoiada pela maioria dos partidos políticos.

Masuzoe, que assumiu o cargo em 2014 com o apoio do Partido Liberal-Democrata (PLD), decidiu deixá-lo diante das perspectivas de evitar a moção, que seria aprovada hoje na assembleia regional.

O governador apresentou sua renúncia ao presidente da assembleia antes da votação desta iniciativa contra sua gestão, mas sua saída definitiva só deve acontecer até o próximo dia 21, disseram fontes do governo regional à “NHK”.

A saída do cargo por parte do governador da região metropolitana da capital é mais um dos problemas na lista que vêm atingindo os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, como a mudança do projeto do estádio, as acusações de plágio pelo logotipo e a investigação da candidatura pelo pagamento de propina.

Desde abril, o político independente, de 67 anos, resistia à pressão crescente da opinião pública e de todos os partidos – incluindo o PLD, que é liderado pelo primeiro-ministro do país, Shinzo Abe – pelas acusações de ter feito gastos exagerados com fins pessoais, como férias com sua família ou a compra de livros e obras de arte.

Além disso, o governador gastou 200 milhões de ienes (US$ 1,88 milhão) em nove viagens ao exterior desde que assumiu o posto, entre eles passagens de avião de primeira classe, suítes em hotéis de luxo e ligações telefônicas de alto valor.

Masuzoe “tomou a medida mais apropriada para ele mesmo, para os partidos da assembleia regional e para todos”, afirmou o porta-voz do Executivo central, Hiroshige Seiko, em entrevista coletiva.

Ontem, os sete partidos com maior representação no parlamento da região metropolitana de Tóquio, entre eles o PLD e seu sócio de governo, o Novo Komeito, apresentaram uma moção de censura contra sua gestão depois que muitos reivindicaram sua renúncia.

A aprovação desta moção obrigaria o governador a deixar o cargo ou dissolver a assembleia regional e convocar novas eleições.

A organização dos Jogos de Tóquio 2020 está sob escrutínio porque o comitê organizador se viu obrigado a mudar seu logotipo este ano após a denúncia de plágio de um desenhista belga.

Além dos problemas gerados pelos custos excessivos orçados para o estádio olímpico, a procuradoria francesa investiga agora pagamentos no valor de US$ 2 milhões supostamente realizados pelo entorno da candidatura de Tóquio para uma conta secreta vinculada ao Comitê Olímpico Internacional.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s