Grécia contabiliza 54 mil refugiados e migrantes bloqueados

Este número foi estabelecido após um procedimento de pré-registro lançado em junho pelo serviço de asilo grego e pelo Alto Comissariado das Nações Unidas

A Grécia anunciou nesta terça-feira (23) que concluiu o censo de quase todos os imigrantes e refugiados bloqueados em seu território, que são 54.000 pessoas, entre as quais estão inúmeros sírios, que poderiam se beneficiar com o acordo de divisão na União Europeia (UE).

Este número quase definitivo foi dado pelo ministro-adjunto de Política Migratória, Yannis Mouzalas, e foi estabelecido após um procedimento de pré-registro lançado em junho pelo serviço de asilo grego e pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

A operação permitiu “começar a ordenar o caos” provocado em fevereiro pelo fechamento da rota dos Bálcãs, onde desde de 2015 mais de um milhão de exilados transitaram desde a Grécia até o norte da Europa, destacou Mouzalas em uma coletiva de imprensa.

Este valor estabelecido por Mouzalas inclui os quase 11.000 refugiados e migrantes retidos nas ilhas gregas desde a entrada em vigor, em 20 de março, do acordo UE-Turquia, que prevê a devolução dos mesmos para este país.

Além deste contingente, a Grécia deverá assumir o comando temporariamente de mais de 40.000 refugiados e migrantes, cujos trâmites de petição de asilo demoram ao menos um ano, comentou à AFP uma fonte governamental.

4.000 tentam sua própria rota europeia

Em particular, o procedimento de pré-registro realizado desde junho atinge 27.592 solicitantes de asilo, entre os quais 43% são mulheres e 46% menores de idade.

Mais da metade – 54% – são sírios, seguidos por afegãos (27%) e iraquianos (13%). “Aproximadamente 75% desta população pode pretender (obter) asilo, seja na Grécia ou na UE”, destacou Mouzalas.

A este número acrescentam-se os solicitantes de asilo registrados antes de junho, 7.500 dos quais já são elegíveis para a divisão na UE, segundo o acordo.

Para se assegurarem de que poderão registrá-los de forma duradoura, as autoridades querem abrir o mercado de trabalho aos solicitantes de asilo, além de planejarem a criação de inúmeras abrigos com condições mais humanas que os grandes campos instalados até agora, indicou Mouzalas.

O Acnur já disponibilizou até agora 9.200 vagas em apartamentos ou hotéis, com o objetivo de alcançar os 20.000.

“Cerca de 4.000” refugiados ou migrantes não realizaram o procedimento de demanda de asilo ou de partida, posto que preferiram tentar sua própria rota na Europa ilegalmente, admitiu Mouzalas.

Porém, esta quantidade não justifica acusar a Grécia de deixar passar diariamente centenas de migrantes por suas fronteiros do norte. Isso é “uma mentira”, concluiu.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s