Grécia prossegue com retirada de migrantes de Idomeni

As autoridades estimam que o desmantelamento total do campo pode levar uma semana

A polícia grega retomou nesta quarta-feira a operação de evacuação do campo de Idomeni, perto da Macedônia, onde milhares de migrantes e refugiados vivem há meses em condições extremas de insalubridade e insegurança.

As autoridades esperam transferir durante o dia “aproximadamente o mesmo número” de migrantes que na véspera, quando 2.000 foram levados de ônibus a centros de acolhimento perto de Salônica, 80 km ao sul, indicou uma fonte policial à AFP.

Se este plano for cumprido, quase a metade das 8.400 pessoas que viviam neste campo terão sido retiradas. As autoridades estimam que o desmantelamento total do campo pode levar uma semana.

Setecentos policiais, com o apoio de helicópteros, voltaram a ser mobilizados desde o início da manhã. A operação “prossegue com normalidade e calma, como ontem”, acrescentou a fonte policial, que pediu o anonimato.

Entre os migrantes transferidos na terça-feira figuram 662 sírios, 1.273 curdos e 96 yazidis.

“Tentamos separá-los por nacionalidade, para evitar tensões”, disse outra fonte policial.

Cem migrantes recusaram na terça-feira a transferência aos novos centros de acolhida e se dirigiram a Salônica a pé.

Idemeni ficou lotada depois que os países dos Bálcãs fecharam em fevereiro suas fronteiras para frear a entrada constante de multidões que fogem das guerras e da miséria no Oriente Médio, na Ásia e na África, em direção a países da Europa central ou setentrional.

A enxurrada humana criou tensões na Europa sobre a maneira de enfrentar a pior crise migratória do continente desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

A polícia voltou a vetar o acesso dos meios de comunicação à zona, com exceção dos estatais.

Na terça-feira, a televisão pública Ert 1 e a agência estatal ANA mostraram imagens de migrantes esperando a transferência em ônibus. Alguns acenavam para as câmeras e muitos carregavam seus pertences em sacos de lixo ou os empilhavam em carrinhos de bebê.

“Tudo está indo bem, graças a Deus. Inclusive melhor que o esperado. Os imigrantes estavam cansados e provavelmente perceberam que a fronteira não seria aberta”, estimou na terça-feira uma fonte policial.

A ONG Oxfam defendeu o direito dos migrantes de obter uma “informação completa” sobre sua situação e receber atendimento médico.

“Pessoas vulneráveis (…) são tratadas como peões de xadrez”, denunciou a Oxfam em um comunicado.

Muitos migrantes são mulheres e crianças desesperados para se reunir com seus maridos e pais que partiram antes, pagando traficantes, com a esperança de se instalar em algum país da União Europeia com melhores perspectivas econômicas que a endividada Grécia.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s