Grécia vive hoje 1ª greve geral sob governo de Tsipras

A greve afeta principalmente os serviços públicos, com paralisação de 24 horas do metrô e dos ônibus, dos barcos e dos serviços mínimos na saúde

A Grécia vive hoje (12) a sua primeira greve geral sob o governo de esquerda de Alexis Tsipras, convocada pelos principais sindicatos do país contra as medidas de austeridade do terceiro resgate.

A greve afeta, como é habitual na Grécia, principalmente os serviços públicos, com paralisação de 24 horas do metrô e dos ônibus, dos barcos e dos serviços mínimos na saúde. A maioria do comércio deverá abrir normalmente.

Nos aeroportos, haverá movimento normal dos voos internacionais, mas vários cancelamentos nos domésticos, devido à adesão à greve do sindicato do pessoal da aviação civil e da companhia aérea Olympic Airways, que opera apenas no país.

Tanto os hospitais quanto as farmácias também funcionarão com serviços mínimos.

Os meios de comunicação se juntaram ao protesto. A previsão é de que apenas trabalhem os jornalistas, fotógrafos e técnicos que fizerem a cobertura da greve.

Paradoxalmente ao apelo à greve, feito pelos sindicatos dos setores público e privado, juntou-se a comissão laboral do partido governamental Syriza.

Os sindicalistas do Syriza apelaram “aos trabalhadores, aos desempregados, aos pensionistas, aos jovens e às mulheres que participem ativamente da greve geral de 24 horas”.

O deputado do Syriza Tasos Kurakis disse que a participação maciça na greve fortalece a posição negociadora do governo diante dos credores internacionais.

O sindicato que representa o setor privado denunciou que as reformas decididas entre o governo e os credores preveem a liberalização do mercado de trabalho, o aumento da idade de aposentadoria, a redução das pensões e o aumento dos impostos, medidas que “diminuem o nível de vida da sociedade grega”.

O sindicato do setor público classificou a greve geral como “a primeira etapa de uma luta” que procura “impedir que a segurança social seja completamente desmantelada e reivindicar um sistema que amplie os direitos”.

Para os sindicatos gregos, o governo não está respeitando os compromissos eleitorais e adota “políticas de austeridade punitivas”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s