Hamas vê polícia na Esplanada das Mesquitas como guerra

Os distúrbios se sucedem na Esplanada desde domingo, quando a polícia israelense atirou na porta principal da Mesquita de al-Aqsa e tomou o controle da área

Gaza – Em um momento de elevação das tensões entre Palestina e Israel, o movimento islamita Hamas qualificou nesta terça-feira de “declaração de guerra” as recentes entradas da polícia israelense na Esplanada das Mesquitas de Jerusalém Oriental.

O porta-voz do movimento em Gaza, Sami Abu Zuhri, advertiu em comunicado que a comunidade internacional “deve intervir e deter o crime israelense antes que a situação exploda”.

“O povo palestino nunca deixará passar este plano israelense”, afirmou Abu Zuhri sobre os distúrbios que se sucedem na Esplanada desde domingo, quando a polícia israelense atirou na porta principal da Mesquita de al-Aqsa e tomou o controle da área em um confronto que inclui troca de pedras, fogos de artifício e gás lacrimogêneo, e que deixaram dezenas de feridos palestinos.

O Conselho Nacional Palestino (CNP), órgão legislativo da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) no exílio, também condenou os fatos e chamou a atenção para o aumento da violência na região.

“Estas medidas e a bárbara escalada israelense em Jerusalém só podem ser detidas quando chegarem novas medidas e decisões tomadas pelos palestinos, os árabes e os muçulmanos para proteger al-Aqsa”, afirmou o Conselho.

A Esplanada das Mesquitas abriga a Cúpula da Rocha e a Mesquita de al-Aqsa (Nobre Santuário em árabe), terceiro lugar da hierarquia muçulmana e primeiro para a tradição judaica, que chama o local de Monte do Templo por ser o lugar dos antigos templos de Jerusalém.

O lugar sagrado fica em Jerusalém Oriental, reclamado pelos palestinos como capital de seu futuro Estado e ocupada por Israel desde 1967, e é fonte frequente de atrito.

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas; a Jordânia – que custodia os lugares santos em Jerusalém Oriental, o Egito e a ONU mostraram preocupação com esta nova escalada de tensão que começou há três dias, na véspera do início do ano novo judaico (Rosh Hashaná), data que leva milhares de fiéis à Cidade Antiga.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s