Holanda repatria mais restos mortais do voo MH17

O governo holandês disse que uma delegação viajou à Ucrânia para receber mais restos mortais e objetos de vítimas do voo, supostamente abatido em 2014

Bruxelas – O governo da Holanda informou nesta sexta-feira que uma delegação do país viajou à Ucrânia para receber mais restos mortais e objetos pessoais de vítimas do voo MH17 da Malaysia Airlines supostamente derrubado em 2014 por rebeldes pró-Rússia.

Os restos mortais e pertences foram encontrados depois de 1º de maio, de acordo com o governo comandado pelo liberal Mark Rutte em comunicado.

A delegação holandesa, composta por oito membros dos ministérios de Defesa e de Relações Exteriores e da polícia também recolherão mais destroços do avião acidentado no leste da Ucrânia em julho de 2014.

Os restos mortais e o material foram achados nos arredores do lugar do acidente, perto do vilarejo de Hrabove, onde o voo MH17 caiu após ser derrubado.

Os prefeitos dos distritos próximos recolheram tudo e garantiram a custódia durante os últimos meses, como foi acordado com a missão de repatriação que viajou várias vezes ao local do acidente, ressaltou o governo holandês.

Os representantes da Holanda supervisionam atualmente a entrega correta dos restos mortais, dos pertences pessoais e de qualquer peça do avião disponível.

A embaixada holandesa em Kiev se encarregará do transporte do material a Kharkiv, a base logística da missão de repatriação, e de lá tudo será transferido à Holanda. Os destroços do avião serão entregues ao Conselho de Investigação para a Segurança e ao gabinete da Procuradoria.

No voo MH17, que fazia a rota entre Amsterdã e Kuala Lumpur no dia 17 de julho de 2014, morreram 298 passageiros, a maioria de nacionalidade holandesa. Duas das vítimas ainda não foram identificadas, segundo o governo holandês.

O Conselho de Segurança da Holanda, que analisa as causas da queda do avião da Malaysia Airlines, divulgará seu relatório definitivo sobre o acidente no dia 13 de outubro.

Em 11 de agosto, os especialistas da equipe de investigação penal – que se desenvolve em paralelo às investigações do Conselho de Investigação para a Segurança sobre as causas da queda – anunciaram que estudam várias partes que podem pertencer a um sistema de mísseis russo. Essas partes foram localizadas durante uma missão de recuperação no leste da Ucrânia.

Em seu relatório preliminar, divulgado em 9 de setembro de 2014, o Conselho de Segurança da Holanda determinou que o acidente do voo MH17 ocorreu por “causas externas”, mais especificamente pelo lançamento de projéteis do exterior. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s