Homossexuais são um dos alvos do Estado Islâmico

O EI reivindicou este ataque, afirmando que um soldado atacou um "clube noturno dos adeptos de Lot", como são chamados os homossexuais nos textos sagrados

Os homossexuais, principais vítimas do massacre em Orlando, são um dos alvos habituais do grupo Estado Islâmico (EI), que já matou dezenas deles nos territórios sob seu controle na Síria e no Iraque.

O inquérito aberto nos Estados Unidos deverá determinar as razões que levaram Omar Mateen a matar 49 pessoas em uma boate emblemática da comunidade gay em Orlando (sudeste dos Estados Unidos).

Contudo, o EI reivindicou este ataque, afirmando que um “soldado do Califado” atacou um “clube noturno dos adeptos de Lot”, como são chamados os homossexuais nos textos sagrados.

Desde o início de sua ofensiva no Iraque e na Síria, este grupo extremista tem difundido escritos e vídeos de propaganda para denunciar a homossexualidade, que é comparada ao adultério, a feitiçaria e a outros comportamentos que o grupo julga “desviante”.

Os vídeos, especialmente terríveis, mostram pessoas “condenadas por sodomia” sendo jogadas do telhado de um edifício ou apedrejadas até a morte em público.

Crimes contra a Humanidade

O ONG Outright Action Internacional, uma associação de defesa dos direitos da comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros), reuniu cerca de 30 vídeos ou séries de fotos divulgados desde dezembro de 2014, mas não pôde confirmar a veracidade dos fatos.

O último data de 7 de maio e mostra um grupo de homens e meninos, alguns deles muito jovens, reunidos na província síria de Aleppo para assistir a “execução da sentença” contra um jovem.

A vítima é lançada do alto de um prédio de quatro andares e, em seguida, seu corpo é apedrejado até a morte, de acordo com fotos publicadas na internet.

Estas execuções são pronunciadas com base no “código penal” que o EI estabeleceu em 2014, inspirando-se, segundo eles, nos princípios da lei islâmica praticada nos primeiros dias do Islã.

Ativistas disseram nas redes sociais que, em algumas execuções, os homens tinham sido mortos por se oporem aos jihadistas, que utilizaram a sua suposta homossexualidade como um pretexto para matá-los.

A ONU acusa o grupo extremista sunita de crimes contra a humanidade pelas atrocidades cometidas (decapitações, crucificações, escravidão, etc.).

O grupo denuncia frequentemente as práticas “desviantes” nos países ocidentais. Sua revista Dabiq escreveu em 2015 que os muçulmanos que deixavam seus países em direção à Europa iriam se encontrar lá “sob a constante ameaça de prostituição, sodomia, drogas e álcool”.

No mundo árabe-muçulmano, os homossexuais muitas vezes enfrentam rejeição por parte das suas famílias, o ostracismo social e a prisão, sob leis que punem as relações sexuais “contra a natureza”.

Em alguns países como a Arábia Saudita, o Irã ou o Iêmen, as relações entre pessoas do mesmo sexo são puníveis com a pena de morte.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s