Hostilidade contra migrantes e estrangeiros cresce na Europa

Os partidos anti-imigração avançam em vários países europeus e os ataques contra os refugiados que chegam ao continente se multiplicam

O homem que matou duas pessoas em uma escola da Suécia, país na linha de frente da acolhida de migrantes, foi encorajado, segundo a polícia, por seu ódio aos estrangeiros, em um contexto de crescente hostilidade na Europa em relação aos refugiados.

Os partidos anti-imigração avançam em vários países europeus, os ataques contra os refugiados que chegam ao continente se multiplicam e os discursos se radicalizam cada vez mais.

A polícia alemã frustrou projetos de ataques contra centros de acolhida de solicitantes de asilo, enquanto na Suécia foram registrados durante o ano 15 incêndios em centros deste tipo, a maioria deles de origem criminosa.

O caráter racista do assassinato na quinta-feira, com uma espada, de duas pessoas de origem estrangeira na escola de Trollhattan, cidade a sudoeste da Suécia, aparece pela seleção das vítimas em função de sua origem. Esta escola acolhia majoritariamente crianças imigrantes.

Vestido de preto, utilizando uma máscara de “Guerra nas Estrelas” e um capacete parecido com o utilizado pelo exército alemão durante a Segunda Guerra Mundial, o jovem agressor “escolheu suas vítimas em função de sua origem étnica”, disse um oficial da polícia, Nikças Hallgren, à televisão pública SVT.

Identificado pela imprensa sueca como Anton Lundin-Pettersson, nativo de Trolllhattan e que expressava nas redes sociais um grande interesse por Hitler, o agressor havia publicado recentemente no Facebook um apelo da extrema-esquerda sueca a organizar um referendo sobre a imigração.

Assim como ocorre em França, Áustria ou Suíça, o reino escandinavo – que deve receber 190.000 refugiados neste ano – também vive um forte avanço da popularidade da extrema-direita.

Assim, o partido dos Democratas da Suécia, terceiro por assentos no Parlamento, tem 15,7% de boas opiniões, segundo uma pesquisa do instituto Skop publicada nesta sexta-feira, e registra sua maior alta desde junho.

Crescente resistência a Merkel

Na Alemanha, 13 pessoas suspeitas de ter planejado ataques contra centros de acolhida foram detidas na quarta-feira em Bamberg (sul).

E a polícia afirma que aumentam os crimes contra estes centros, refletindo a crescente resistência à política de acolhida do governo da chanceler Angela Merkel.

No último fim de semana, uma responsável pelos refugiados de Colônia, e candidata à prefeitura, foi esfaqueada por um homem próximo à extrema-direita. A mulher, que segue hospitalizada, foi eleita prefeita no domingo.

Também na Suíça ocorreu um avanço espetacular nas recentes legislativas da UDC, a direita populista anti-imigração e hostil à União Europeia.

Na Áustria, o chefe do partido de extrema-direita FPO, Heinz-Christian Strache, obteve nas municipais o melhor resultado do partido na capital, Viena.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, advertiu acerca de “uma Europa que ‘olha para o próprio umbigo’, (…) que se fecha diante das esperanças e das expectativas dos demais”, enquanto milhares de pessoas continuam chegando em massa, através dos Bálcãs, com a aproximação do inverno no hemisfério norte.

Na manhã desta sexta-feira, 5.000 refugiados esperavam, em meio ao frio, para atravessar o posto fronteiriço de Berkasovo entre Sérvia e Croácia, segundo a Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR).

Na bruma matinal, os migrantes acendiam fogueiras para se esquentar, enquanto outros dormiam no chão, cobertos com mantas.

“Há muitas crianças. É uma catástrofe!”, exclamou um policial sérvio.

Situados no coração de uma crise migratória sem precedentes, os países dos Bálcãs esperam muito da mini-cúpula com a UE, prevista para este domingo em Bruxelas. Eslovênia, Bulgária, Hungria, Romênia e Croácia pedem apoio financeiro.

Totalmente sobrecarregada pelos acontecimentos, a Eslovênia, um dos pequenos Estados da chamada zona Schengen, ameaçou imitar a Hungria erguendo uma cerca anti-imigrantes.

O comissário europeu de Migrações, Dimitris Avramopoulos, visitou na quinta-feira a Eslovênia e lembrou que todos os países têm o “dever de acolher os que precisam desesperadamente de ajuda.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s