Israel levanta restrições sobre a Esplanada das Mesquitas

Porta-voz policial garantiu que hoje, dia da reza muçulmana, a jornada de orações "terminou sem exceções e com a participação de cerca de 30 mil fiéis

Jerusalém – As autoridades israelenses permitiram nesta sexta-feira a entrada sem restrições à Esplanada das Mesquitas pela primeira vez durante a atual escalada de violência em Israel e Palestina, informou a polícia.

A porta-voz policial Luba Smari garantiu que hoje, dia da reza muçulmana, a jornada de orações “terminou sem exceções e com a participação de cerca de 30 mil fiéis (…) Não houve restrições de idade para a entrada”.

A Esplanada das Mesquitas está situada em Jerusalém Oriental, ocupada por Israel desde 1967, e acolhe a Mesquita de al-Aqsa, que a transforma no terceiro lugar mais sagrado para o islã (que o conhece como Nobre Santuário), enquanto é considerado o primeiro pelo judaísmo, que o denomina de Monte do Templo por marcar o local dos antigos templos de Jerusalém.

O lugar é um contínuo foco de tensão e durante as últimas semanas as autoridades israelenses impediram a entrada dos muçulmanos menores de 50 anos.

O levantamento das restrições foi visto como um esforço israelense para diminuir a violência na jornada posterior ao encontro entre o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu e o secretário de Estado americano, John Kerry, para abordar a situação.

A polícia também apontou que mantém desdobrado um amplo dispositivo de segurança em Jerusalém, em particular em sua parte leste.

Os palestinos, por sua vez, realizam hoje uma nova ‘Jornada da Ira’ convocada pelo movimento islamita Hamas que pediu que todos os cidadãos da Cisjordânia e de Gaza “confrontem as forças do Exército israelense”, convocação que costuma ser secundada depois da oração do meio-dia.

Por enquanto, um soldado israelense ficou ferido em um ataque na Cisjordânia, perto do bloco de assentamentos de Gush Etzion, e o atacante foi atingido por disparos na perna, informou a polícia.

Desde 1 de outubro morreram 52 palestinos -cerca da metade deles em agressões a israelenses em sua imensa maioria com arma branca-, nove israelenses, um eritreu e um palestino com nacionalidade israelense, em ataques e distúrbios.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s