Israel rejeita presença internacional na Esplanada

"Israel não aceitará nenhuma presença internacional no Monte do Templo. Qualquer intervenção desse tipo violaria o status quo de décadas"

Nações Unidas – Israel afirmou nesta sexta-feira que não aceitará nenhum tipo de presença internacional na Esplanada das Mesquitas de Jerusalém, o Monte do Templo dos judeus, e defendeu a manutenção do “status quo” que rege nessa região.

“Israel não aceitará nenhuma presença internacional no Monte do Templo. Qualquer intervenção desse tipo violaria o status quo de décadas”, declarou o novo embaixador israelense na ONU, Danny Danon, em entrevista à imprensa.

Danon mostrou assim a total rejeição de seu país à possibilidade que forças internacionais se encarreguem de tramitar essa área, considerada sagrada tanto por judeus como por muçulmanos, e que esteve no centro dos confrontos violentos das últimas semanas.

As autoridades palestinas acusaram Israel recentemente de tentar mudar o “status quo” na Esplanada das Mesquitas pelas cada vez mais abundantes visitas de judeus nacionalistas que pretendem rezar no lugar, o que consideram uma provocação.

Danon, no entanto, insistiu que seu governo não procura nenhuma mudança e acusou o presidente palestino, Mahmoud Abbas, de “mentir” sobre o que está ocorrendo na região.

“O que Abbas tenta fazer não é surpresa. A história demonstra que, cada vez que um líder palestino quer evitar tomar uma decisão difícil, preenche o vazio com incitação e acusações falsas sobre o Monte do Templo”, afirmou aos jornalistas.

O embaixador israelense falou minutos antes do início de uma reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU sobre a crise no Oriente Médio, na qual discursou o “número dois” da missão de Israel, David Roet.

Em seu discurso, Roet ressaltou que Israel está “firmemente comprometido” a continuar protegendo o direito dos muçulmanos a rezar na Mesquita de Al-Aqsa, assim como a liberdade de toda pessoa para visitar a área.

Além disso, denunciou que os líderes palestinos buscam negar a “conexão histórica” dos judeus com seu “lugar mais sagrado” e “desrespeitam” suas crenças.

Os dois representantes israelenses acusaram Abbas hoje na ONU de incitar à violência e de ser responsável pelo aumento da tensão e lhe urgiram a iniciar negociações diretas para resolver o conflito.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s