Jimmy Carter entrega a Rússia mapas com posições do EI

"Os dados recebidos não são secretos. A maioria está publicada no site do Centro Carter. Recebemos com gratidão o gesto do ex-presidente americano"

Moscou .- O ex-presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter entregou a Rússia mapas com as posições do Estado Islâmico (EI) e de outros grupos jihadistas na Síria, informou a chancelaria russa nesta quinta-feira.

“Efetivamente, Jimmy Carter se dirigiu a nós com a proposta de nos enviar mapas em poder de seu centro (Centro Carter) sobre as atuais posições dos grupos em combate na Síria”, disse Maria Zakharova, porta-voz da chancelaria russa.

Essas mapas “incluem as posições das forças governamentais, do EI e de outros grupos”.

“Os dados recebidos não são secretos. A maioria está publicada no site do Centro Carter. Seja como for, recebemos com gratidão o gesto do ex-presidente americano”, disse.

A diplomata destacou que, “evidentemente, (Carter) defende a união de esforços na luta contra o terrorismo e está preocupado com o destino do povo sírio”.

“Certamente, do nosso ponto de vista, seria mais lógico e eficaz se tal postura construtiva fosse tomada por quem em Washington tem toda a informação a respeito”, apontou.

A Rússia deveria receber informação “de outro senhor Carter, o atual ministro da Defesa dos EUA, Ashton” Carter, afirmou Zakharova.

“Infelizmente, no Pentágono não só resistem à proposta de trocar dados sobre os alvos do EI na Síria, mas também se mostram reticentes em cooperar, por exemplo, em assuntos humanitários”, indicou.

Jimmy Carter, que afirmou conhecer “muito bem” o presidente russo, Vladimir Putin, enviou semana passada uma mensagem ao chefe do Kremlin perguntando se queria “uma cópia de nosso mapa para que possa bombardear com maior precisão na Síria”.

“Portanto, no futuro, se a Rússia não alcançar os alvos corretos, vocês saberão que não é culpa de Putin, mas minha”, apontou Carter, que disse compartilhar com o líder russo a paixão pela pesca.

Carter, de 91 anos, presidente democrata dos Estados Unidos entre 1977 até 1981, tachou em 2013 de “desnecessária” a intervenção militar dos EUA na Síria.

Já o chefe do Pentágono assegurou que os Estados Unidos não estão dispostos a cooperar com a Rússia nas estratégias contra o terrorismo na Síria.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s