Júri investigador acusa ativistas antiaborto nos EUA

O júri acusou David Daleiden e Sandra Merritt, membros do grupo anti-aborto Center for Medical Progress, por manipularem documentos oficiais

Um júri investigador do Texas que analisava acusações de que uma clínica americana de abortos vendia órgãos de fetos a eximiu de qualquer crime e indiciou, por sua vez, dois militantes anti-aborto que a filmaram secretamente.

O “grande júri” eximiu de qualquer crime a organização Planned Parenthood, uma rede de alcance nacional que fornece serviços de saúde às mulheres.

Pelo contrário, o júri acusou David Daleiden e Sandra Merritt, membros do grupo anti-aborto Center for Medical Progress, por manipularem documentos oficiais, crime que pode gerar até 20 anos de prisão.

O direito ao aborto é um tema polêmico e de alcance político nos Estados Unidos, especialmente em um ano de eleições presidenciais, embora há anos as pesquisas mostrem que a maioria da população apoia o aborto, que é legal.

O veredicto do grande júri (encarregado de avaliar preliminarmente as provas para decidir se há elementos para que um processo avance) significa que Daleiden e Merritt deverão ser julgados.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s