Macri afirma que Kirchner quer sair pela porta dos fundos

Os desencontros entre a presidente e Macri se tornaram evidentes na primeira, e até agora única, reunião após a vitória do líder do Mudemos

Buenos Aires – Mauricio Macri, presidente eleito da Argentina, afirmou nesta quarta-feira que Cristina Kirchner “não quer colaborar” no processo de transição, e afirmou que “em vez de sair pela porta da frente, continua mostrando que quer sair pela porta dos fundos”.

“Cada coisa que faz acreditando que é contra nosso governo, é contra a Argentina”, disse Macri em entrevista à imprensa após apresentar formalmente sua equipe de governo.

Os desencontros entre a presidente e Macri se tornaram evidentes na primeira, e até agora única, reunião após a vitória do líder do Mudemos, e se acentuaram nos últimos dias, há apenas uma semana de Cristina passar a faixa para ele.

“Dá a sensação que continua dedicada ao tema de quantos problemas novos, quantos impedimentos novos poderão criar para o próximo governo”, denunciou Macri.

A última polêmica é a decisão tomada terça-feira por Cristina sobre o financiamento às províncias, que deixa Macri com uma milionária parte do orçamento comprometida antes mesmo de iniciar seu mandato.

“Deixa claro que a presidente não quer colaborar”, insistiu Macri, que assumirá a presidência no próximo dia 10.

Nem os detalhes da cerimônia de posse foram fechados.

“Estamos nessas conversas. Até agora não pudemos nos entender. Confio que a presidente vai entender que essa é a cerimônia que marca a história e que temos que recuperá-la”, apontou Macri.

“Vemos um fim de governo em que a incapacidade de gestão vai se materializando com mais clareza. Nada os alcança, aparecem dívidas todos os dias, nomeações novas todos os dias”, denunciou.

O presidente eleito apresentou hoje os membros de seu futuro gabinete, que definiu como “a melhor equipe dos últimos 50 anos”, e que, disse, têm quatro prioridades: dedicação, coordenação e trabalho em equipe, boa comunicação e honestidade.

“Vou ser muito exigente, não vou ter nenhum tipo de tolerância. Não há impunidade nem isenções para ninguém”, advertiu.

Conter a inflação, que organismos independentes cifram em cerca de 25%, e “levá-la a um dígito em um par de anos”, é outra das metas do governo.

Macri antecipou também que viajará na sexta-feira a Brasília, para se reunir com a presidente, Dilma Rousseff, e depois ao Chile, onde se encontrará com a presidente Michelle Bachelet, com o objetivo de impulsionar “duas relações importantes que precisamos cultivar”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s