Mercosul cobra acordo da União Europeia

Líderes demonstraram, durante a 49ª cúpula, contrariedade com a demora dos europeus em fechar as negociações

Assunção – Os líderes do Mercosul continuam tratando o acordo bilateral do bloco com a União Europeia como prioridade, mas demonstraram, durante a 49ª cúpula, contrariedade com a demora dos europeus em fechar as negociações.

A presidente Dilma Rousseff afirmou que a decisão “está do outro lado do Atlântico”. “Queremos concluir um acordo ambicioso, abrangente e equilibrado com a União Europeia”, discursou.

Ela cumprimentou o empenho do presidente do Paraguai, Horacio Cartes, na concretização do acordo. “Os esforços do presidente Cartes mostram, inquestionavelmente, que hoje a decisão está do outro lado do Atlântico porque deixamos sistematicamente claro que estávamos prontos para fazer as nossas ofertas”, afirmou.

Antes de Dilma, o anfitrião Cartes já tinha dito que o bloco cumpriu seu objetivo de ter uma oferta de bens pronta para o bloco europeu e tem condições de iniciar a troca em 2016. O recém-empossado presidente argentino, Mauricio Macri, também defendeu o acordo como prioridade do bloco.

No entanto, o comunicado final não traz menção às negociações. Segundo o ministro da Indústria do Paraguai, Gustavo Leite, o Mercosul já se manifestou várias vezes no sentido de que está pronto para as trocas e não era colocando o tema no comunicado mais uma vez que as negociações chegariam à conclusão, afirmou.

“Há que se respeitar o tempo político dos outros países, que muitas vezes não é o que gostaríamos”, declarou.

A proposta do Mercosul abrange 90% dos bens que fazem parte do comércio entre os blocos, incluindo todos os setores. O entrave maior está na área agrícola, onde estão concentradas as barreiras não tarifárias.

A negociação do acordo Mercosul-UE dura 15 anos. Em 2004, uma troca de ofertas chegou a acontecer, mas sem acordo final. O processo foi retomado em 2010 e vários prazos para a apresentação das propostas foram fixados desde então.

A presidente Dilma chegou a estimar que a troca sairia até 30 de novembro deste ano.

Empresários brasileiros, argentinos, paraguaios e uruguaios apostam no acordo como forma de tirar o bloco de uma paralisia que tem prejudicado a inserção do Mercosul na economia mundial e limitado os ganhos de exportações e investimentos externos.

“As entidades estão convictas de que esse acordo pode melhorar a posição competitiva dos países no comércio global, sobretudo com o movimento global de aprofundamento da produção por cadeias de valor”, disse Carlos Abijaodi, da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Com a frustração com a União Europeia, o bloco passou a ver um caminho de sair da pasmaceira com a Aliança do Pacífico, grupo formado por México, Peru, Colômbia e Chile. Para a presidente Dilma, o Mercosul tem muita “complementariedade” com o bloco. “Devíamos estabelecer relações cada vez mais próximas e sólidas”, defendeu.

Para a CNI, a retomada da economia brasileira está atrelada ao sucesso das negociações comerciais do Mercosul, que abrem espaço para o crescimento das exportações e de investimentos estrangeiros.

“Há mais de uma década, a indústria brasileira alerta sobre a necessidade de o Mercosul ter uma agenda econômica estratégica e de longo prazo. Chegou a hora. O crescimento do Brasil depende disso”, afirmou Abijaodi.

Na última década, o Mercosul perdeu um ponto porcentual como destino das exportações brasileiras, passou de 10%, em 2005, para 9%, em 2014. Nas importações, o bloco representava 10% e caiu para 7,5% no período.

As entidades industriais dos países do bloco pedem que o Mercosul, além de avançar na negociações de “acordos comerciais relevantes”, se esforce por reduzir as barreiras aos fluxos de comércio e investimentos entre os membros.

Segundo os dados da CNI, os acordos assinados pelo Mercosul dão potencial de acesso a somente 8% do comércio mundial, enquanto que os do México, 65%, da União Europeia, 45%, e dos Estados Unidos, 25%.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s