Mianmar e Laos produziram 823 milhões de toneladas de ópio

A UNODC manteve Mianmar como o primeiro país produtor de ópio do Sudeste Asiático e o segundo do mundo, atrás do Afeganistão

Bangcoc – Mianmar (antiga Birmânia) e Laos produziram 823 milhões de toneladas de ópio em 2015 destinadas ao tráfico de drogas, apesar do cultivo de ter se estabilizado pelo terceiro ano seguido, indicou nesta terça-feira o Escritório das Nações Unidas contra a Droga e o Crime (UNODC, em inglês) em Bangcoc ao apresentar um relatório.

A UNODC manteve Mianmar como o primeiro país produtor de ópio do Sudeste Asiático e o segundo do mundo, atrás do Afeganistão.

O relatório, intitulado “Ópio no Sudeste Asiático em 2015”, mostrou que o cultivo de ópio sev estabilizou neste ano em 55 mil hectares em Mianmar e 5,7 mil hectares no Laos.

O documentou explicou como o entorpecente é refinado e transformado em heroína graças ao uso de anidrido ácido de contrabando, uma substância química “pioneira”.

De 823 milhões de toneladas de ópio, são obtidas 82,3 toneladas de heroína.

“A produção de ópio e o comércio de químicos ao Triângulo de Ouro e a saída de heroína deste continuam sendo um desafio para a segurança e a estabilidade”, ressaltou o representante regional da UNODC para o Sudeste Asiático e Pacífico, Jeremy Douglas, em comunicado.

Douglas convidou Mianmar e Laos a combater as raízes do problema em uma região na qual a demanda de heroína se encontra em “níveis inaceitáveis” e onde os narcotraficantes obtêm grandes lucros.

O coordenador do Programa de Drogas para UNDOC no Sudeste Asiático, Tun Nay Soe, explicou por sua parte na mesma nota de imprensa que “existe um clara conexão entre o cultivo de ópio e a pobreza, as más condições de vida, a dívida doméstica e a falta de recursos alternativos”.

O estado Shan, no nordeste de Mianmar, palco de um conflito armado com as minorias étnicas, produz 91% do ópio cultivado no Triângulo de Ouro, zona na qual confluem as fronteiras birmanesa, laosiana e tailandesa.

O cultivo de ópio no Laos se encontra principalmente nas sete províncias do norte do país.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s