Milhares de afegãos protestam por linha de transmissão

Cabul afirma que o plano atual garante que as duas províncias, Bamyan e Wardak, terão amplo acesso à eletricidade

Cabul – Milhares de afegãos da minoria hazara protestaram em Cabul nesta segunda-feira, acusando o governo do presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, de excluí-los de um projeto multimilionário de construção de uma linha de transmissão de energia.

Os manifestantes exigiam que a rota planejada para a linha de transmissão de 500 quilovolts ligando o Turcomenistão à capital Cabul seja alterada para atravessar duas províncias com grandes populações hazara, uma opção que, segundo o governo, iria custar milhões de dólares e atrasar em anos o projeto, que é de extrema necessidade.

Cabul afirma que o plano atual garante que as duas províncias, Bamyan e Wardak, terão amplo acesso à eletricidade, ainda que a principal linha de transmissão não as atravesse diretamente.

A linha, concebida para levar energia a 10 províncias, é parte de um projeto mais abrangente chamado Tutap, que tem subsídio do Banco Asiático de Desenvolvimento e que conecta Turcomenistão, Uzbequistão e Tadjiquistão, repúblicas centro-asiáticas ricas em energia, ao Afeganistão e ao Paquistão.

Apesar dos temores de violência, a manifestação foi essencialmente pacífica, com alguns poucos relatos isolados de problemas, e Ghani agradeceu aos manifestantes. Uma comissão criada para analisar o plano irá dar seu parecer dentro de 10 dias.

Mas o protesto enfatizou a tensão política que o governo enfrenta no mesmo momento em que combate uma insurgência liderada pelo Taliban e tenta ressuscitar a combalida economia afegã.

A manifestação ocorreu na esteira de uma passeata de novembro contra o assassinato de militantes de um grupo hazara que se tornou a maior congregação anti-governo em Cabul em anos.

As autoridades, temendo uma renovação dos episódios de violência do ano passado, quando manifestantes tentaram escalar os muros do palácio presidencial, bloquearam ruas de acesso à principal área governamental com contêineres de carga empilhados.

Os hazaras, que são majoritariamente muçulmanos xiitas, vêm sendo perseguidos há muito tempo, mas são bem organizados politicamente, e milhares deles se reuniram em uma praça longe do centro da cidade entoando “a Tutap é nosso direito”, mas se dispersaram pacificamente.

Só cerca de 30 por cento do Afeganistão está ligado à rede elétrica, e a modernização do sistema energético, que sofre blecautes frequentes, é uma das maiores prioridades do país.

Pelos planos atuais, que devem ser implementados até 2018, a linha irá partir de uma estação de conversão na cidade de Pul-e-Khumri, no norte afegão, e atravessar a passagem das montanhas Salang até Cabul.

Os manifestantes querem a instalação de uma versão anterior do plano que passaria pelas províncias de Bamyan e Wardak.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s