Milhares de migrantes vão à Croácia; UE se reúne na quarta

Esta cúpula da União Europeia (UE) será realizada na quarta-feira em Bruxelas, um dia após a reunião dos ministros do Interior sobre o mesmo tema

Os líderes europeus se reunirão na próxima semana em Bruxelas para tentar superar as divisões a respeito da crise dos migrantes, que se aglomeram aos milhares na Croácia depois de terem ficado bloqueados na fronteira entre Sérvia e Hungria.

Esta cúpula da União Europeia (UE) será realizada na quarta-feira em Bruxelas, um dia após a reunião dos ministros do Interior sobre o mesmo tema, anunciou nesta quinta-feira o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e seu colega austríaco, Werner Faymann, pediram a organização rápida desta cúpula para entrar em acordo sobre uma divisão obrigatória entre os países da UE de 120.000 refugiados, a maior crise migratória no continente desde 1945.

Reunidos nesta quinta-feira em caráter de urgência, os eurodeputados votaram a favor desta proposta. Mas a principal dificuldade será convencer os países do leste europeu, contrários ao acolhimento maciço de refugiados.

A pequena estação ferroviária de Tovarnik, uma localidade croata próxima à fronteira sérvia, estava tomada por migrantes que tentavam embarcar em trens com destino à capital, Zagreb, de onde esperam seguir viagem para o oeste do continente.

“Há entre 4.000 e 5.000 pessoas tentando embarcar nos trens. Os trens estão chegando, mas não podem transportar tantas pessoas”, disse o porta-voz da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), Jan Kapic.

Em Genebra, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos considerou a atitude da Hungria xenófoba e chocante, assim como de hostil com os muçulmanos.

“Estou assustado com estes atos sem coração, em alguns casos ilegais, das autoridades húngaras (…) Alguns são violações flagrantes das leis internacionais”, declarou Zeid Ra’ad al Hussein em um comunicado.

Fora de controle

Diante desta afluência, “as coisas estão prestes a ficar fora de controle”, afirmou a presidente croata, Kolinda Grabar-Kitarovic. “A Croácia demonstrou humanitarismo, mas muitos refugiados entram (no país) sem controle”, disse.

Alguns voluntários da Cruz Vermelha começaram a distribuir alimentos, com prioridade para os bebês e as crianças.

“A situação aqui é difícil. São tantas pessoas. Não sabemos o que está acontecendo”, disse Hasan Shekh-Hasan, um sírio de 25 anos, estudante de Direito.

No total, 5.650 migrantes chegaram à Croácia nas últimas 24 horas, segundo o ministério do Interior, e serão transportados em trens e ônibus para centros de registro.

A ministra croata da Saúde, Sinisa Varga, afirmou nesta quinta-feira que as autoridades calculam a chegada de mais de 20.000 migrantes nas próximas duas semanas.

No entanto, o primeiro-ministro croata, Zoran Milanovic, advertiu que o país tem capacidades limitadas para receber e registrar os migrantes que transitam por seu território.

Calma na fronteira entre Sérvia e Hungria

Na manhã desta quinta-feira, quase 400 migrantes permaneciam na fronteira sérvio-húngara. A situação estava calma, após os distúrbios de quarta-feira, que deixaram 14 policiais feridos, segundo as autoridades. O número de migrantes feridos não foi divulgado.

Diante da intransigência da Hungria, os migrantes se viram obrigados a seguir para a Croácia.

A polícia húngara utilizou jatos d’água e bombas de gás lacrimogêneo na quarta-feira contra os migrantes, bloqueados na Sérvia, que atiraram pedras contra as forças de segurança. Os migrantes conseguiram arrancar parte do alambrado que fechava a passagem fronteiriça de Röszke.

Em Nova York, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, considerou “inaceitável” o tratamento da polícia húngara aos migrantes.

O ministro húngaro das Relações Exteriores, Peter Szijjarto, classificou as declarações de Ban como “estranhas e chocantes” e explicou que a polícia apenas se defendeu de migrantes agressivos.

Situação complicada

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, declarou em uma entrevista ao jornal francês Le Figaro que também planeja construir uma cerca na fronteira com a Croácia para, segundo ele, “acabar com o negócio dos traficantes de pessoas”.

As medidas adotadas pela Hungria foram radicais: de acordo com a polícia, apenas 277 migrantes entraram ilegalmente na Hungria na quarta-feira. De acordo com a nova legislação, todos foram detidos e podem ser condenados a penas de até cinco anos de prisão.

Ao mesmo tempo, na Turquia, centenas de sírios buscam uma porta de entrada terrestre para a Grécia. No decorrer do ano, 500.000 migrantes chegaram à União Europeia após longas e perigosas viagens por terra e mar.

A Bulgária reagiu nesta quinta-feira com o envio de mil soldados para a fronteira com a Turquia, ante uma situação que chamou de complicada, provocada pela crise migratória.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s