Netanyahu viajará a Rússia para falar com Putin sobre Síria

Primeiro-ministro israelense discutirá na capital russa a ameaça que o aumento da provisão russa de armamento moderno à Síria representa para Israel

Moscou – O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, chegará segunda-feira em Moscou para conversar com o presidente russo, Vladimir Putin, sobre a Síria e a ameaça do terrorismo jihadista, anunciou o Kremlin nesta quarta-feira.

“Será uma breve visita de trabalho e haverá conversas com Vladimir Putin”, disse Dmitri Peskov, porta-voz do Kremlin.

O escritório do primeiro-ministro israelense explicou que Netanyahu discutirá na capital russa a ameaça que o aumento da provisão russa de armamento moderno à Síria representa para Israel pela possibilidade de cair nas mãos do Hezbollah e de outros grupos terroristas.

Putin afirmou várias vezes a Netanyahu que o armamento que fornece tanto à Síria como ao Irã é exclusivamente defensivo e não representa uma ameaça para a segurança de Israel, e também não altera o equilíbrio de forças no Oriente Médio.

Putin afirmou ontem que continuará a dar ajuda técnico-militar ao regime sírio em sua luta contra grupos terroristas como o Estado Islâmico (EI).

“Apoiamos o governo da Síria em seu enfrentamento contra a agressão terrorista. Proporcionamos, e continuaremos, assistência técnico-militar, e pedimos a outros países que se unam a nós”, disse Putin.

O embaixador sírio em Moscou, Riyad Haddad, tachou esta semana de “mentira divulgada pelos EUA e pelos países ocidentais” a suposta presença de tropas russas em seu país e denunciou se tratar de uma “nova conspiração” contra a Síria.

Mas reconheceu que Damasco recebe armamento e equipamentos militares russos, “tudo feito de acordo com os contratos assinados entre os dois países”.

“Estamos há 30 ou 40 anos cooperando com a Rússia em diferentes âmbitos, incluído o militar”, ressaltou.

Segundo as últimas notícias, que citam fontes americanas, a Rússia teria transportado tanques T-90 e peças de artilharia a um aeroporto perto do porto sírio de Latakia.

Também a imprensa ocidental publicou informações sobre a localização de baterias antimísseis e o desdobramento de mil soldados militares especiais de um regimento que participou da anexação da península da Crimeia em março de 2014.

Semana passada o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, sugeriu que Moscou só daria “passos adicionais” só a Síria pedisse.

“E, certamente, exclusivamente a pedido e de acordo com o governo sírio ou os governos de outros países da região, se se tratar de ajudar-lhes na luta contra o terrorismo”, ressaltou.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s