ONU conclui primeira semana de negociações sobre a Síria

Para a oposição, já é hora de começar a debater a questão central: as modalidades de uma transição política rápida

O enviado especial da ONU para a Síria conclui nesta sexta-feira a primeira semana de negociações em Genebra, reunindo-se, sucessivamente, com o regime e a oposição, que quer avançar rapidamente e abordar a questão central da colocação em andamento de uma transição política.

Depois de receber uma delegação de Damasco no meio da manhã e depois a do Alto Comitê de Negociações (ACN, oposição), Staffan de Mistura terá se reunido no total três vezes com cada grupo ao longo da semana.

Para a oposição, já é hora de começar a debater a questão central: as modalidades de uma transição política rápida para por fim a um conflito que esta semana entrou em seu sexto ano.

“Queremos avançar rápido. Queremos evitar um processo que continue estagnado”, afirmou nesta quinta-feira Bassma Kodmani, uma representante do ACN, depois do encontro com o enviado da ONU.

Frequentemente criticado por suas divisões, sua organização caótica e sua legitimidade, o ACN, que reagrupa políticos e representantes dos grupos armados, reelaborou sua estratégia e quer apresentar-se como “um sócio sério” nas discussões.

A oposição entregou na quinta-feira um “memorando detalhado” sobre sua visão do órgão de transição, que supostamente deverá ser colocado em andamento dentro de seis meses, preparar uma nova Constituição e realizar eleições em 18 meses.

“Mantivemos discussões substanciais sobre a transição política”, assegurou De Mistura, declarando-se impressionando pela preparação da oposição. “Espero conseguir a mesma clareza por parte do governo”, acrescentou.

O formato do órgão de transição constitui um dos principais pontos do bloqueio. Para a oposição, é preciso excluir o presidente Bashar al-Assad, enquanto que, para o regime, a transição deve ser conduzida por um governo aberto aos opositores, mas sempre sob a autoridade do atual presidente.

Brecha importante

O enviado da ONU admitiu na quinta-feira que a brecha entre os dois grupos é importante, mas considerou que ambos estão de acordo sobre princípios cruciais, como a unidade e a integridade do país.

De fato, o regime e a oposição rejeitaram unanimemente o anúncio dos curdos sírios sobre o estabelecimento de um sistema federal para as zonas do norte do país sob seu controle.

Atores indispensáveis na crise, os curdos controlam atualmente 14% do território sírio (26.000 km2) e três quartos da fronteira sírio-turca. No entanto, não estão incluídos nas negociações em Genebra pela oposição taxativa da Turquia, que vê seu partido, o PYD, como uma extensão do PKK (curdos turcos), que considera terrorista.

No terreno, a trégua imposta em 27 de fevereiro por Moscou e Washington se mantém, apesar de algumas violações esporádicas.

Os últimos três dias tem sido surpreendentemente tranquilos, segundo palavras de De Mistura, que, apesar disso, lamentou a lentidão do processo de distribuição de ajuda humanitária.

Um grupo de trabalho apoiado pela ONU apresentou na quinta uma proposta à Síria para que a ajuda possa chegar a um milhão de sírios sitiados antes do final de abril, apesar de o chefe deste grupo, Jan Egeland, reconhecer que a colocação em prática desse plano depende fundamentalmente de Damasco.

De Mistura afirmou na quinta que a questão dos presos políticos – milhares de pessoas – também era uma de suas prioridades.

“Também há a questão dos sequestros”, acrescentou, referindo-se aos grupos rebeldes.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s