ONU e BM pedem mudança “radical” contra aquecimento global

Cientistas e políticos se reuniram para debater soluções práticas e aplicar uma "mudança radical e irreversível" na economia para conter o aquecimento global

Washington – Cientistas e políticos de todo mundo se reuniram nesta quinta-feira em Washington, nos Estados Unidos, para debater soluções práticas e aplicar uma “mudança radical e irreversível” na economia para conter o aquecimento global.

“Precisamos atuar agora. Precisamos acelerar a velocidade, o alcance e a escala de nossa resposta, local e globalmente”, afirmou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, na abertura da reunião “Ação Climática 2016”, que começou hoje e termina amanhã.

“Secas, tempestades e inundações estão custando vidas e produtividade de Fiji às Filipinas, da Tailândia ao Texas”, acrescentou o diplomata sul-coreano.

Por sua vez, o presidente do Banco Mundial (BM), Jim Yong Kim, reiterou a urgência da mudança para indicar que o mundo não pode se permitir “perder o impulso”. “A cada dia que passa, o desafio do clima cresce”.

O dirigente da instituição financeira citou um recente estudo do BM, que afirma que milhões de pessoas em regiões como a África Subsaariana e o Oriente Médio terão que se adaptar a viver com menos água nos próximos anos. Especificamente, o relatório ressalta que o crescimento econômico pode reduzir em 6% de agora até 2050 nessas regiões pela escassez de água.

Nesse sentido, a ministra do Meio Ambiente da França, Ségolène Royal, também presente no evento, destacou que o Acordo de Paris deve estabelecer os fundamentos de um progresso “irreversível”, marcado por um crescimento sustentável e respeitoso com o planeta.

O pacto, assinado em dezembro na capital francesa com o objetivo de mudar o modelo de desenvolvimento do planeta para ser livre de combustíveis fósseis, entrará em vigor quando pelo menos 55 países, que somem no total 55% das emissões globais, o tenham ratificado.

A meta é reduzir o aumento da temperatura em não mais que 2 graus Celsius em relação aos níveis da era pré-industrial.

No encontro, parte da ênfase se concentrou na contribuição das cidades e das entidades governamentais em nível local, que podem ser um catalisador essencial, especialmente no que se refere à questão do transporte. No comando da iniciativa está o chamado grupo C40, uma rede que reúne os principais centros urbanos mundiais que buscam coordenar esforços na luta contra o aquecimento global.

“Entendo as barreiras e, colaborando com os parceiros do setor privado, do governo e o setor enérgico, as cidades continuarão guiando o caminho na hora de enfrentar a mudança climática”, disse o prefeito do Rio de Janeiro e presidente do C40, Eduardo Paes.

Durante os dois dias de seminários e conferências, discursarão o ex-prefeito de Nova York e promotor do grupo, Michael Bloomberg, e a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, entre outros.

Além disso, parte da agenda do evento está dedicada à importância de as grandes potências, como China e EUA, liderarem o esforço global através de seus exemplos.

O ex-vice-presidente dos EUA Al Gore será um dos participantes que exigirão aos países de maior economia do mundo que assumam sua responsabilidade no combate ao aquecimento global. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s