Oposição síria afirma que bombardeio russo matou 36 civis

Chefe da principal aliança da oposição política síria afirmou que as áreas atacadas pelos aviões russos "estavam livres do Estado Islâmico e da Al Qaeda"

Beirute – O presidente da opositora Coalizão Nacional Síria (CNFROS), Khaled Joya, garantiu que os bombardeios da Rússia no norte da província síria de Homs causaram a morte de 36 civis nesta quarta-feira.

Em vários tweets desde Nova York, o chefe da principal aliança da oposição política síria, que participa da Assembleia Geral da ONU, afirmou que as áreas atacadas pelos aviões russos “estavam livres do EI (Estado Islâmico) e da Al Qaeda”.

Joya ofereceu, além disso, uma supressão de vítimas por zonas: 17 falecidos na zona de Telbise, seis em Al Rastan, 11 em Al Zafarana, e um em Al Mukaramiya e Al Ganto, respectivamente.

A televisão oficial síria anunciou que a aviação da Rússia, em colaboração com as forças aéreas do país árabe, bombardearam hoje vários alvos do grupo jihadista EI nas províncias centrais de Hama e Homs.

A rede estatal, que citou uma fonte militar, precisou que esses ataques atingiram vários “esconderijos” do EI em Al Rastan, Telbise, Al Zafarana, Deir Ful, Salamiya e os montes de Al Hamr e Aidun.

A televisão explicou que estes bombardeios ocorrem “em aplicação do acordo entre a República Árabe da Síria e a Federação da Rússia contra o terrorismo internacional e para a eliminação do Daesh (acrônimo em árabe do EI)”.

Anteriormente, o Observatório Sírio de Direitos Humanos tinha apontado que pelo menos 27 pessoas haviam morrido hoje em diferentes ataques aéreos em Al Rastan, Telbise e Al Zafarana, culpando a aviação do regime sírio.

Moscou anunciou hoje que aviões russos tinham atacado alvos do EI na Síria, mas pilotados por militares sírios, e que a ação tinha sido notificada a representantes dos Estados Unidos.

O Conselho da Federação (Senado) da Rússia autorizou hoje o uso das forças aéreas deste país na Síria a pedido do presidente russo, Vladimir Putin, uma permissão que não inclui uma intervenção terrestre.

A presidência síria confirmou hoje que tinha solicitado a Moscou o envio de sua força aérea a território sírio para combater o terrorismo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s