Países alertam sobrerisco de conflito religioso em Mianmar

As embaixadas da Austrália, Canadá, Dinamarca, Japão, França, Noruega, Suécia, do Reino Unido e EUA mostraram preocupação em comunicado

Bangcoc – Nove países, entre eles Estados Unidos e cinco europeus, aletaram nesta terça-feira sobre o risco de “divisão e conflito” em Mianmar (antiga Birmânia) pelo uso da religião na campanha das eleições gerais de 8 de novembro.

As embaixadas da Austrália, Canadá, Dinamarca, Japão, França, Noruega, Suécia, do Reino Unido e EUA mostraram preocupação em comunicado conjunto emitido um dia depois que monges budistas ultranacionalistas iniciaram mobilizações.

Os monges votam a aprovação de várias leis que restringem as conversões, os casamentos inter-religiosos e o número de filhos, mas que, segundo grupos de defesa dos direitos humanos, perpetuam a discriminação das minorias, sobretudo dos muçulmanos.

“Como parceiros internacionais que investimos no êxito do país e nas eleições, estamos preocupados perante a perspectiva de que a religião será utilizada como ferramenta de divisão e conflito durante a campanha eleitoral”, diz o comunicado.

As embaixadas pediram ao governo, à Comissão Eleitoral, aos partidos e líderes religiosos que “promovam um espírito de tolerância, respeito mútuo e igualdade sob a lei para garantir eleições pacíficas e inclusivas”.

Após quase cinco décadas de regimes militares, Mianmar iniciou em 2011 reformas de corte democrática que foram sombreadas por vários surtos de violência sectária, sobretudo contra a minoria muçulmana do país.

Os incidentes mais graves ocorreram em 2012 no estado de Rakhine, no oeste do país, em enfrentamentos entre a maioria budista e a minoria muçulmana Rohingya que deixaram pelo menos 160 mortos e levaram milhares a campos de deslocados.

Em março, perante a pressão de budistas ultranacionalistas, o governo revogou os documentos de identidade a milhares de rohingyas, que perderam o direito a voto e de concorrer como candidatos às eleições, já que Mianmar não reconhece a cidadania dos mesmos.

As eleições serão as primeiras organizadas por um governo não militar em mais de 50 anos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s