Papa Francisco encerra visita a Cuba e segue para os EUA

De manhã, ele celebra missa na Basílica Menor e depois terá encontros na Catedral de Santiago de Cuba, antes de deixar a ilha e embarcar para Washington

O papa Francisco encerra hoje (22) viagem de quatro dias a Cuba, depois de uma vasta agenda de celebrações e de ter se encontrado com os irmãos Castro.

De manhã, ele celebra missa na Basílica Menor e depois terá encontro com famílias na Catedral de Santiago de Cuba, antes de deixar a ilha e embarcar para Washington. Durante a visita, a imagem de facilitador da reconciliação entre os Estados Unidos e Cuba foi reforçada.

De maneira geral, a agenda política e o conteúdo das conversas e reuniões que teve não foram detalhadas.

Tanto o Vaticano quanto o governo cubano foram discretos e não divulgaram informações detalhadas sobre as conversas entre o papa Francisco, o ex-presidente Fidel Castro e o presidente Raúl Castro.

Ele também evitou falar publicamente sobre os dissidentes e sobre a liberdade política.

A imprensa internacional, que acompanha a visita do Papa, mostrou imagens de prisões de pessoas em meio às celebrações. Ativistas entrevistados afirmaram que entre 50 e 100 pessoas foram detidas e houve ameaças para que dissidentes não saíssem de casa.

De acordo com o Vaticano, o Papa não se pronunciou sobre as denúncias de detenções.

Com relação aos encontros com Raúl e Fidel Castro, somente a troca de presentes e informações gerais sobre as conversas foram divulgadas.

Segundo o Vaticano, a conversa com Fidel durou 40 minutos e eles falaram de religião e de temas internacionais, em tom informal. A imprensa oficial cubana divulgou imagens do encontro, mas sem áudio.

Os encontros com Raúl Castro também foram discretos. Publicamente, eles trocaram presentes e se cumprimentaram durante as missas celebradas em Havana e na cidade de Holguín, terra natal dos líderes cubanos.

Depois de se reunir com o governo cubano, o Papa terá ampla agenda em Washington – primeiro com o presidente Barack Obama e depois no Congresso norte-americano.

A questão do embargo econômico e o fechamento da prisão que os Estados Unidos mantêm em Guantânamo são temas sensíveis.

Antes da chegada do Papa Francisco a Cuba, Obama telefonou para Raúl Castro. Depois dos quatro dias na ilha, o papa se encontrará amanhã (23) com o presidente norte-americano na Casa Branca.

Durantes as celebrações, missas e reuniões com sacerdotes, o papa destacou a importância do perdão e da reconciliação. Ele defendeu que as pessoas sirvam aos menos favorecidos e não a ideais.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s