Papa visita mesquita em Bangui e pede reconciliação

O pontífice se reuniu com os líderes muçulmanos do bairro PK 5, em uma área que foi cenário de violência sectária

O Papa Francisco fez nesta segunda-feira uma visita de grande valor simbólico à mesquita de um bairro muçulmano de Bangui, capital da República Centro-Africana, cenário de atrocidades em 2013 em um conflito com tom religioso.

“Cristãos e muçulmanos são irmãos e irmãs”, disse Francisco.

“Os que clamam que acreditam em Deus também devem ser homens e mulheres de paz”.

O pontífice se reuniu com os líderes muçulmanos do bairro PK 5, em uma área que foi cenário de violência sectária. A visita acontece sob fortes medidas de segurança, com o apoio da força da ONU no país (Minusca).

Os “capacetes azuis” ONU (10.900 homens em todo o país), o contingente militar francês (900) e a polícia centro-africana devem patrulhar Bangui até o fim da visita papal.

Nas imediações da mesquita aconteceram confrontos armados entre os Seleka, milicianos principalmente muçulmanos, e os milicianos cristãos e animistas, conhecidos como “anti-balaka”.

Mauro Garofalo, da comunidade católica de Sant’Egidio, afirmou que a comunidade muçulmana esperava o papa com fervor e esperança.

Depois da visita à mesquita, o pontífice seguiu para o complexo esportivo que leva o nome de Barthelemy Boganda, um sacerdote católico indígena, “pai da pátria”, morto em 1960, pouco depois da proclamação da independência.

No estádio, com capacidade para 30.000 pessoas, celebrará a última missa de sua viagem ao continente africano.

A etapa de um dia e meio em Bangui já pode ser considerada um sucesso, apesar das críticas dos céticos. O papa, enérgico ante a espiral de vingança, foi recebido com fervor, apesar do ódio que persiste entre a população.

No domingo, não citou a palavra muçulmano, consciente de que este conflito tem raízes políticas.

Francisco defendeu a unidade e pediu que as pessoas não cedam “à tentação do medo do outro, do desconhecido, do que não é parte de nosso grupo étnico, nossas opiniões políticas ou nossa confissão religiosa”.

Um Ano Santo, o “Jubileu da Misericórdia”, sobre o perdão, começará em 8 de dezembro, mas foi inaugurado no domingo com a abertura de uma “porta sagrada” na catedral de Bangui.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s