Parem com política perigosa no Oriente Médio, pede Irã a EUA

Presidente do Irã garantiu que a política externa dos Estados Unidos no Oriente Médio "cultiva as sementes da divisão e do extremismo"

Nações Unidas – O presidente do Irã, Hassan Rohani, pediu nesta segunda-feira aos Estados Unidos que deixe de “explicar a verdade do Oriente Médio, fazer acusações infundadas e seguir com outras políticas perigosas em defesa de seus aliados regionais”, além de realizar “ações compatíveis com a realidade da região”.

Rohani garantiu que a política externa dos Estados Unidos no Oriente Médio “cultiva as sementes da divisão e do extremismo”.

“Não devemos esquecer que as raízes das guerras de hoje, da destruição e do terror, podem ser encontradas na ocupação e nas intervenções militares de ontem”.

“Se as invasões militares dos Estados Unidos no Afeganistão e Iraque não tivessem ocorrido e sem o apoio incondicional dos Estados Unidos às ações desumanas do regime sionista sobre a nação oprimida da Palestina, os terroristas não teriam hoje desculpa para seus crimes”, acrescentou.

Rohani mostrou, no entanto, sua intenção de seguir rumo à paz e ao avanço nas relações internacionais de seu país depois do acordo nuclear alcançado recentemente com o Grupo 5+1 (EUA, China, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha).

“Nós não esqueceremos do passado, mas não queremos viver no passado. Não esqueceremos da guerra e das sanções, mas olhamos para a paz e o desenvolvimento”, disse.

O presidente iraniano reconheceu “o papel de todos os negociadores para conseguir este acordo”.

“Quando foi necessário, avançamos, e quando foi necessário, mostramos o valor da flexibilidade. Foi um exemplo do triunfo do diálogo construtivo (…) Demonstramos nessas negociações que não há nada nas intenções do Irã que não sejam a lógica, a razão e a ética”, indicou.

“O Irã nunca teve a intenção de construir uma arma nuclear e portanto as sanções eram injustas e ilegais. As sanções do Conselho de Segurança (da ONU) e as unilaterais de alguns países se baseavam em asseverações sem fundamento”, prosseguiu.

Rohani aproveitou, além disso, a tribuna da Assembleia Geral para apontar “o luto” vivido em seu país após as 769 mortes de fiéis muçulmanos no tumulto de Meca em 24 de setembro e reivindicar responsabilidades às autoridades sauditas.

“A opinião pública exige que os funcionários da Arábia Saudita cumpram com suas obrigações e ofereçam acesso consular imediato para o retorno rápido dos restos dos falecidos”, motivo pelo qual Rohani antecipou seu retorno ao Irã, que acontecerá hoje mesmo.

“Que são preparadas as condições para uma investigação independente e precisa para encontrar as causas deste desastre e que haja meios para que esta catástrofe não se volte a repetir no futuro”, concluiu. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s