Poluição do ar mata 6,5 milhões por ano — ou uma Dinamarca

Número deverá aumentar significativamente nas próximas décadas, a menos que o setor da energia se mobilize para reduzir as suas emissões, diz relatório da AIE

São Paulo – A cada ano, cerca de 6,5 milhões de pessoas  mais do que toda a população da Dinamarca  morrem por problemas associados à poluição do ar no mundo, um número que deverá aumentar significativamente nas próximas décadas, a menos que o setor da energia se mobilize para reduzir as suas emissões.

O dado é de um relatório especial da Agência Internacional de Energia (AIE), divulgado hoje, que destaca as ligações entre energia, poluição do ar e saúde, e identifica as contribuições que o setor de energia pode fazer para conter a má qualidade do ar  a quarta maior ameaça à saúde humana, depois de pressão arterial elevada, dietas deficientes e tabagismo.

Segundo o estudo, a produção e utilização de energia são as mais importantes fontes artificiais de emissões dos principais poluentes atmosféricos: 85% de material particulado (as nocivas PM10 e PM2,5) e quase todos os óxidos de enxofre e óxidos de nitrogênio.

Todos os anos, milhões de toneladas destes poluentes são liberadas na atmosfera a partir de fábricas, usinas de energia, carros, caminhões, bem como da casa de 2,7 bilhões de pessoas que ainda queimam madeira, carvão vegetal e outros tipos de biomassa poluidoras para cozinhar seus alimentos.

“O ar puro é um direito humano básico que a maioria da população mundial não tem”, disse o diretor executivo da AIE, Fatih Birol. “Nenhum país, rico ou pobre, pode afirmar que a tarefa de combater a poluição do ar está completa. Os governos precisam agir e precisam agir agora”, defende.

É tudo uma questão de escolha política e investimento no lugar certo, diz o texto. Para se ter uma ideia, o estudo estima que políticas energéticas apoiadas por um aumento de apenas 7% do investimento total de energia em tecnologias limpas até 2040 poderia reduzir as mortes prematuras pela poluição do ar exterior pela metade em relação às taxas atuais.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s