Presença dos EUA no Afeganistão não muda guerra, diz Rússia

"Eu não sei o que vai mudar. Já disse isso várias vezes: se 100 mil soldados fracassaram em sua missão, 5 mil ou 6 mil não farão diferença", disse Zamir Kabulov

Moscou – A Rússia afirmou nesta quinta-feira que a decisão dos Estados Unidos de adiar a retirada de seu contingente militar do Afeganistão não influenciará o curso da guerra entre o exército afegão e os talibãs.

“Eu não sei o que vai mudar. Já disse isso várias vezes: se 100 mil soldados fracassaram em sua missão, 5 mil ou 6 mil não farão diferença”, disse Zamir Kabulov, porta-voz do Kremlin para o Afeganistão, à agência oficial “RIA Nóvosti”.

Segundo ele, a permanência americana “pode representar um respaldo político e moral para as autoridades afegãs, que, por alguma razão, acham que a presença militar estrangeira lhes facilitará a existência”.

“As autoridades e o povo afegão devem em primeiro lugar contar com suas próprias forças”, disse, e o Ocidente deve se limitar a instruir os soldados afegãos e fornecer armamento moderno para a luta contra os talibãs.

Em sua opinião, “seria muito mais efetiva a entrega de material do que milhares de soldados norte-americanos que perseguirão os talibãs por todo o Afeganistão”.

Washington anunciou hoje que os EUA atrasarão sua retirada militar do Afeganistão e manterão 5.500 soldados até janeiro de 2017.

De acordo com o novo plano que Obama apresentará hoje, 9.800 soldados americanos ficarão no Afeganistão até o final de 2016, e depois o total será reduzido a 5.500 homens, que permanecerão no país até o final de 2017.

Alguns deles continuarão fazendo trabalhos de treinamento do exército afegão, enquanto parte do contingente se dedicará a localizar jihadistas da Al Qaeda, do Estado Islâmico e outras organizações terroristas que operam na região.

Para Kabulov, a decisão dos Estados Unidos é uma reação aos últimos eventos no Afeganistão, como a recente tomada da emblemática cidade de Kunduz pelos insurgentes, que foi reconquistada três dias depois pelas forças governamentais.

“Não existe outra explicação. A decisão de adiar a retirada vem porque a realidade afegã obrigou à Administração americana a mudar de planos”, opinou.

O ataque a Kunduz foi a maior conquista militar dos talibãs desde a queda de seu regime em 2001, após a invasão ocidental do Afeganistão depois dos atentados de 11 de setembro.

Na opinião do diplomata russo, Washington teme que outras cidades, exceto Cabul – “que conta com suficientes forças e está por enquanto fora do alcance dos extremistas” – caiam nas mãos dos rebeldes afegãos.

Em dezembro do ano passado, Kabulov tachou de “extremamente inoportuna” a retirada das tropas ocidentais do Afeganistão, e disse que os talibãs voltariam a ser fortes como em 2001.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s