Promotoria isenta Messi, mas fisco mantém acusações

A Promotoria aceita a versão de Messi, que na quinta-feira declarou ao tribunal que se "dedicava a jogar futebol e não tinha ideia de nada"

No último dia do julgamento por fraude fiscal contra Lionel Messi, a promotoria reiterou nesta sexta-feira o pedido de absolvição do jogador, mas o advogado do fisco manteve as acusações, comparando o craque argentino a um “chefão de organização criminosa”

“Lionel Andrés Messi deve ser absolvido”, afirmou a promotoria de Barcelona durante as conclusões do julgamento do craque do Barcelona e de seu pai Jorge Horacio, acusados de fraude de 4,16 milhões de euros ao fisco espanhol por meio de uma rede de empresas offshore.

A Promotoria aceita a versão de Messi, que na quinta-feira declarou ao tribunal que se “dedicava a jogar futebol e não tinha ideia de nada”.

“Não há nenhuma evidência de que alguém o explicasse algo”, afirmou.

O craque foi isento, mas a acusação contra o pai foi mantida, assim como o pedido de um ano e meio de prisão.

“Se isto aconteceu foi porque ele, Jorge Messi, aceitou”, afirmou o promotor, que definiu o pai do atleta como “o alter ego de Messi na gestão econômica”.

‘Não existe ignorância deliberada’

Messi e seu pai, Jorge Horacio, são acusados de uma evasão de 4,16 milhões de euros ao fisco espanhol entre 2007 e 2009, com a utilização de uma série de empresas no Reino Unido, Suíça, Belize e Uruguai para receber os direitos de imagem, evitando assim o pagamento de impostos.

Durante estes anos, Messi assinou contratos de patrocínio com marcas como Adidas, Konami, Pepsi ou Danone em nome de uma empresa no Uruguai, Jenbril, que pertencia 100% a ele e à qual cedeu a gestão de seus direitos. O jogador afirmou desconhecer tudo isto.

O emaranhado de empresas foi elaborado por um escritório de advocacia de Barcelona que prestava assessoria à família na área fiscal e que mantinha contato apenas com seu pai.

“O senhor Jorge Messi não pode evitar sua responsabilidade culpando os assessores”, disse o promotor.

Ao contrário da promotoria, o advogado do Estado, Mario Maza, considera que era “impossível que o jogador não fosse informado”.

“Aqui não existe ignorância deliberada. Aqui há dolo e ponto final, porque ele não queria pagar seus impostos”, acusou Maza.

“Ele é como o chefão de uma organização criminosa. Está acima de tudo e não quer saber de nada sobre quem executa as tarefas”, completou.

A defesa pede a absolvição de ambos, mas o advogado do Estado reclama penas para ambos, por entender que Messi era consciente e se beneficiou do esquema.

Ele pede uma multa equivalente ao valor da fraude e 22 meses de prisão, que não seriam cumpridos pela ausência de antecedentes.

A audiência foi suspensa e o veredito final deve ser anunciado nas próximos dias ou semanas.

O jogador, que foi ouvido no tribunal na quinta-feira, desembarcou nesta sexta-feira nos Estados Unidos, onde disputará a Copa América de Centenário com a seleção argentina.

Além dos problemas com o fisco, o cinco vezes melhor do mundo enfrenta um problema de lesão, depois de sofrer uma pancada na coluna na última sexta-feira, em amistoso contra o Honduras (vitória por 1 a 0).

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s