Seul retoma campanha de propaganda na fronteira com o Norte

No fim de agosto, os dois Estados alcançaram um acordo que colocou fim a uma escalada que ameaçava degenerar em conflito armado

A Coreia do Sul retomou nesta sexta-feira a difusão de propaganda na fronteira com a Coreia do Norte, como resposta ao teste nuclear realizado por Pyongyang, anunciou o ministério da Defesa em Seul.

“As emissões foram retomadas ao meio-dia” (01H00 Brasília), declarou à AFP um funcionário do ministério.

Na véspera, Seul anunciou a retomada da propaganda na fronteira, acrescentando que “o quarto teste nuclear do Norte é uma violação gratuita de suas obrigações internacionais e uma grave violação do acordo intercoreano de 25 de agosto”.

No fim de agosto, os dois Estados alcançaram um acordo que colocou fim a uma escalada que ameaçava degenerar em conflito armado.

Durante vários dias, as forças armadas dos dois países permaneceram em estado de alerta máximo. Pyongyang mobilizou sua artilharia na fronteira, enquanto caça-bombardeiros sul-coreanos e americanos realizavam exercícios.

Em virtude do acordo, a Coreia do Sul desligou os alto-falantes e o Norte disse lamentar a explosão de uma mina na fronteira que mutilou dois soldados coreanos.

Mas nesta sexta-feira os potentes alto-falantes situados na fronteira militarizada entre os dois países voltaram a transmitir um programa eclético de música pop, boletins meteorológicos, informações ou críticas ao regime norte-coreano.

Este método de guerra psicológica remonta aos anos de conflito aberto entre os dois lados (1950-53), quando unidades móveis equipadas com alto-falantes transitavam ao longo de uma linha de frente extremamente instável. Pode parece antiquado, mas tem eficiência.

No ano passado, as mensagens de propaganda em meio a um momento de tensão entre os dois países enfureceram Pyongyang.

Na quarta-feira, a Coreia do Norte anunciou ter testado com sucesso uma bomba de hidrogênio, uma prova condenada por toda a comunidade internacional.

Tecnicamente, as duas Coreias estão em conflito, já que a guerra da Coreia (1950-1953) não acabou com um tratado de paz, mas com um cessar-fogo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s