Trens com refugiados são parados entre Áustria e Hungria

Centenas de pessoas que saíram de Budapeste rumo a Viena foram detidas hoje na fronteira austro-húngara

Viena – Pelo menos dois trens com centenas de refugiados a bordo, que saíram de Budapeste rumo a Viena, foram retidos nesta segunda-feira na fronteira austro-húngara, onde será decidido quais pessoas poderão passar para solicitar asilo austríaco.

O porta-voz da polícia austríaca, Roman Hahslinger, confirmou à Agência Efe que os refugiados que pediram asilo político no país não podem continuar a viagem.

“As autoridades húngaras nos avisaram na noite de ontem que hoje (segunda-feira) teríamos mais chegadas de refugiados do que o habitual”, disse Hahslinger, que disse que no primeiro trem havia entre 300 e 400 refugiados.

Em outros trens, havia também centenas de refugiados, acrescentou o porta-voz, sem oferecer mais detalhes.

Entre 18h e 18h30 local (16h a 16h30, em Brasília) chegaram a Viena os dois primeiros trens com centenas de refugiados a bordo, segundo constatou a Agência Efe na Estação Oeste (Westbahnhof).

Poucos refugiados, em sua maioria sírios, desceram e o primeiro trem seguiu após uma breve parada rumo a Munique (Alemanha), com escala em Salzburgo.

De um segundo comboio, desceram centenas de refugiados que, logo depois, subiram em um trem “express” com destino a Munique, que saiu pouco depois das 19h local (13h, em Brasília).

Perguntados pela Efe sobre o próximo destino, dois refugiados exclamaram com o polegar levantado “Alemanha, Alemanha!”.

Segundo informações da polícia austríaca, aqueles refugiados que decidirem pedir asilo político na Áustria podem expressar sua intenção na central ferroviária. Depois, eles serão enviados a diferentes centros de amparo.

Nesta manhã, centenas de refugiados foram à estação de Keleti em Budapeste com a intenção de tomar os trens que partiam para a Áustria.

Os refugiados, em sua maioria sírios que chegaram à Hungria desde a Sérvia, passaram o fim de semana congregados no centro de Budapeste reivindicando uma permissão para que seguissem viagem para a Europa Ocidental.

O site “Origo” informou que, hoje de manhã, os agentes que vigiavam os refugiados na estação “tinham desaparecido” e que, por volta das 10h local (5h, em Brasília), cerca de 300 pessoas tentavam comprar bilhetes e assegurar um lugar em algum dos trens.

Segundo a agência de notícias húngara “MTI”, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, manteve hoje uma conversa telefônica com a chanceler alemã, Angela Merkel, sobre a crise de refugiados na Hungria.

As autoridades húngaras interceptaram entre sexta-feira e domingo quase 8,8 mil pessoas que cruzaram a fronteira entre a Sérvia e Hungria de forma ilegal, apesar de no sábado ter terminado a construção de uma cerca.

A maioria das pessoas que chegam à Hungria fugindo de países em conflito não pretendem ficar no país, mas seguir caminho para outros mais ricos, onde em muitos casos podem se encontrar com parentes ou amigos. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s