Trump adia viagem a Israel após críticas de Netanyahu

Ontem, o escritório de Netanyahu afirmou que o primeiro-ministro era contrário à proposta de Trump

Washington – O pré-candidato republicano à presidência dos Estados Unidos Donald Trump anunciou nesta quinta-feira o adiamento de sua viagem a Israel após as críticas do primeiro-ministro do país, Benjamin Netanyahu, ao seu plano de proibir a entrada de muçulmanos no território americano.

“Decidi adiar minha viagem a Israel e realizar meu encontro com Netanyahu em uma data posterior, quando assumir a presidência”, disse o magnata em sua conta no Twitter.

Trump, que continua à frente das pesquisas de intenções de voto entre republicanos, divulgou na segunda-feira passada a polêmica proposta de veto temporário de muçulmanos ao país, como resposta à ameaça terrorista contra os EUA.

O plano recebeu várias críticas, tanto dentro como fora do partido republicano.

Ontem, o escritório de Netanyahu afirmou que o primeiro-ministro era contrário à proposta de Trump.

“Israel respeita todas as religiões e garante de maneira estrita o direito de todos seus cidadãos. Ao mesmo tempo, Israel está lutando contra o islamismo militante que ataca muçulmanos, cristões e judeus, ameaçando todo mundo”, disse o primeiro-ministro na nota.

A previsão é que o encontro ele entres ocorresse em Jerusalém, no próximo dia 28 de novembro. Trump explicou hoje na emissora “Fox” os motivos para o adiamento do discurso.

“Ele (Netanyahu) disse que tínhamos uma reunião e que desejava que ela ocorresse. Mas eu não queria colocá-lo sob pressão”, afirmou o polêmico pré-candidato republicano.

O plano de proibição de Trump foi divulgado após o recente ataque de San Bernardino, na Califórnia, que provocou a morte de 14 pessoas.

O atentado foi realizado por um muçulmano americano filho de paquistaneses e sua esposa, também de origem paquistanesa.

Ela declarou lealdade ao grupo jihadista Estado Islâmico (EI). O FBI garante que o casal se radicalizou antes do massacre, considerado como um “ato de terrorismo” pelo governo.

O anúncio do adiamento da viagem a Israel coincidiu com a publicação de uma nova pesquisa em nível nacional.

Trump segue líder, desta vez com 35% dos votos entre os eleitores republicanos, seguido do senador Ted Cruz, com 16%, do neurocirurgião aposentado Ben Carson, com 13%, e pelo senador Marco Rubio, com 9%.

A pesquisa, divulgada pela emissora “CBS News” e pelo jornal “The New York Times”, foi realizada entre os dias 4 e 8 de dezembro com 431 eleitores republicanos e tem margem de erro de 6%.

Ela foi realizada antes da polêmica proposta de Trump sobre os muçulmanos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s