Utah, nos EUA, obrigará anestesia em abortos após 20ª semana

O estado se tornou o primeiro do país a aprovar a lei que obriga a aplicação de anestesia às mães que realizam abortos após tal tempo de gravidez

Washington – Utah se tornou o primeiro estado dos EUA a aprovar uma lei que obriga a aplicação de anestesia às mães que se submetem a abortos voluntários após certo tempo de gravidez, informou a imprensa local nesta terça-feira.

O governador de Utah, o republicano Gary Herbert, assinou na segunda-feira a lei, que determina que os médicos anestesiem as mulheres que optarem pelo aborto a partir da 20ª semana de gravidez.

A medida se baseia na premissa de que, após esse período, o feto pode sentir dor durante o procedimento. Anteriormente, a lei em Utah dava às mulheres liberdade para decidir se queriam ou não anestesia.

A norma foi idealizada pelo senador republicano Curt Bramble, que, a princípio, queria proibir os abortos depois da 20ª semana de gestação, mas mudou de posicionamento ao ser advertido que essa iniciativa poderia ser inconstitucional.

“O governador é firmemente a favor da vida. Ele acredita que é preciso minimizar a dor que pode ser causada à criança não nascida”, comentou o porta-voz do governador, Jon Cox.

No entanto, alguns médicos alertam que o requerimento de anestesia para interromper uma gestação de 20 semanas pode aumentar o risco para a saúde da mulher com uma sedação desnecessária para proteger um feto de uma dor que pode não ser sentida.

A promulgação da lei chega em meio ao ressurgimento do debate sobre os direitos reprodutivos das mulheres nos Estados Unidos, enquanto a Suprema Corte avalia uma polêmica lei do Texas que provocou o fechamento de dezenas de clínicas de aborto.

A Suprema Corte deve se pronunciar sobre a lei do Texas que, com o argumento de proteger a saúde das mulheres, exige que as clínicas cumpram com os padrões cirúrgicos de um pequeno hospital, o que provocou o fechamento de dezenas de centros especializados.

Os juízes do tribunal bloquearam no início deste mês a aplicação de uma lei da Louisiana que, segundo os grupos defensores do direito ao aborto, também teria provocado o fechamento de quase todas as clínicas de aborto desse estado. EFE

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s