Venezuela mobiliza militares em meio a tensões no país

Maduro ordenou à FANB que mobilize a artilharia para uma agressão externa, em meio a um aumento dos conflitos sociais e das tentativas da oposição de derrubá-lo

Mais de meio milhão de militares e milicianos venezuelanos iniciarão nesta sexta-feira dois dias de exercícios de defesa, sob um estado de exceção e em meio a esforços internacionais para abrir um diálogo entre o governo de Nicolás Maduro e a oposição.

Maduro ordenou à Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) que mobilize a artilharia para se preparar para uma agressão externa, em meio a um aumento dos conflitos sociais e das tentativas da oposição de tirá-lo do poder através de um referendo revogatório.

“Este referendo é para gerar as condições para esquentar as ruas e justificar um golpe de Estado ou uma intervenção estrangeira, para isso estão tentando ativá-lo, com muito pouco apoio”, afirmou Maduro na noite de quinta-feira, em um ato de seu partido socialista.

O presidente chavista sustenta que os Estados Unidos estão planejando uma intervenção na Venezuela, a pedido da “direita fascista venezuelana” após “o golpe de Estado do Brasil” contra Dilma Rousseff.

Os militares venezuelanos farão manobras como as que realizaram depois que o presidente Barack Obama declarou em março de 2015 a Venezuela como uma “ameaça” à segurança dos Estados Unidos.

No entanto, desta vez Maduro decidiu que, aos mais de 160.000 efetivos das FANB, se somem centenas de milhares de reservistas e milicianos, o que as torna “sem precedentes”, segundo o ministro da Defesa, general Vladimir Padrino López.

“Este exercício não é para provocar nenhum alarme no país”, afirmou Padrino ao justificá-lo, afirmando que a Venezuela “está ameaçada” por fatores internos e externos que pretendem “quebrantar a revolução”.

“Fazer estas mobilizações com a desculpa das ameaças externas é uma boa maneira de demonstrar que está” a postos e criar “temor nas pessoas”, declarou à AFP o cientista político Benigno Alarcón.

Depois de ter declarado há uma semana um estado de exceção, Maduro afirmou que não hesitará em decretar a “comoção interna” – que implicaria em restrições a liberdades civis – se ocorrerem atos “golpistas violentos”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s