A arte de se reinventar

São poucos profissionais que chegam ao topo e conseguem manter o nível de desempenho superior que os levou até lá

“A powerful tool to develop your leadership skills” (em tradução livre: Uma ferramenta ponderosa para desenvolver sua habilidade de liderar). Foi com essa dedicatória que ganhei de presente o livro What Got You Here Won´t Get You There (em português, Reinventando o seu próprio sucesso), de Marshall Goldsmith.

O mundo corporativo é repleto de profissionais inteligentes, autoconfiantes, capazes e ambiciosos. Mas são poucos os que chegam ao topo e conseguem manter o nível de desempenho superior que os levou até lá. O livro é voltado para executivos bem-sucedidos e parece ter sido baseado em uma das máximas de Peter Drucker: “Gastamos muito tempo ensinando líderes o que fazer. Não gastamos tempo suficiente ensinando líderes o que parar de fazer”.

É difícil que esse público admita, mas não se podem vencer batalhas diferentes com as mesmas estratégias. Cada posição executiva traz novas complexidades e desafios. Raramente conhecimentos técnicos serão determinantes para o sucesso ou fracasso em uma posição de liderança. 

Amparado na sua experiência como coach de CEO, Goldsmith mostra como a receita de sucesso pessoal cega o executivo para hábitos inconscientes que o impedem de manter um desempenho superior ou de galgar novos degraus na escada corporativa. No cenário extremo, esses erros podem provocar sua queda. Uma mudança de comportamento é necessária.

Goldsmith elenca os 20 hábitos auto sabotadores mais comuns, mas também dá orientações simples e pragmáticas para superá-los. Para citar alguns: Você recebe crédito pelo trabalho de outros? Você compartilha informação? Você faz questão de sempre colocar o seu ponto de vista? Não somos os melhores avaliadores do nosso próprio comportamento, precisamos da opinião daqueles que convivem conosco. Comece obtendo feedback dos seus pares e equipe sobre o seu desempenho como líder.

Entre os novos hábitos que devem ser adotados por líderes que almejam o sucesso, Goldsmith cita o feedforward. Contrário à ansiedade normalmente associada a uma conversa de feedback, o feedforward foca no que precisa ser feito agora para alcançar um objetivo futuro, em vez de olhar para trás e discutir algo que deu errado. É um livro para ser lido e estudado.

* Este artigo é de autoria de Marcelo Nóbrega (diretor de recursos humanos da Arcos Dourados) e não representa necessariamente a opinião da revista.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s