As propostas da Ser Educacional e Kroton pela Estácio

Com redução do Fies e a recessão no país, fusões e aquisições são uma maneira das empresas de educação superior ganharem mercado

São Paulo – A Estácio, segunda maior instituição de ensino superior do Brasil, tem uma nova interessada em seu negócio.

O grupo Ser Educacional afirmou que entrou na disputa pelo grupo educacional, que já estava sendo avaliado pela Kroton, líder do setor. Apresentada ontem, 5, a proposta de fusão da Ser envolve pagamento de R$ 590 milhões, representando R$ 1,92 por ação da Estácio.

Os acionistas da Estácio teriam 68,7% de participação na nova empresa, enquanto os 31,3% restantes seriam controlados pelos acionistas da Ser Educacional.

A Ser é a sexta maior companhia do setor e detém as marcas UNINASSAU, Faculdade Maurício de Nassau, UNAMA, UNG, FIT e Faculdade Joaquim Nabuco.

Um dos principais atrativos para a Ser é a localização dos campi da Estácio, em todos os estados do Nordeste e em alguns no Norte. A eventual fusão consolidaria o grupo de ensino em uma das regiões de menor presença do ensino superior do país.

A presença da Estácio no Ensino à Distância seria outra vantagem para a Ser, que começou a oferecer a modalidade em 2014 e conta com apenas 15 polos de EDA e está em processo para credenciar mais 400, contra 170 da Estácio e 910 da Kroton.

A gigante interessada

Já a proposta da Kroton abrange apenas troca de ações. A operação envolveria 0,977 ação da Kroton para cada 1 ação da Estácio, com base no preço médio dos últimos 30 pregões.

No caso da fusão ser aprovada, as ações da Kroton seriam divididas em 15,7% para acionistas da Estácio 84,3% para acionistas da própria companhia.

A Kroton, dona da Anhanguera e maior grupo de educação privada do país, enviou a oferta logo depois de ter concluído a venda da operação de ensino à distância Uniasselvi por R$ 1,1 bilhão.

Ela também controla as marcas Fama, Pitágoras, Unic, Unime e Unopar e está presente principalmente nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Com redução das verbas federais para o financiamento do ensino superior através do Fies e a dificuldade para captação e retenção de alunos, causada pela crise, fusões e aquisições são uma maneira de ganhar mercado.

Confira abaixo o tamanho dos três grupos educacionais, com base nos números mais recentes divulgados pelas companhias.

//e.infogr.am/dc70b2a6-dda9-4728-aec9-6d8ae00d9ebd?src=embed

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s