Justiça nega ação contra propaganda institucional da Sabesp

Para o juiz, como a empresa atua no Estado de São Paulo, ela não pode ser proibida de fazer publicidade institucional durante o período das eleições municipais

São Paulo – O juiz eleitoral Sidney da Silva Braga julgou improcedente a representação do Ministério Público Eleitoral contra a Sabesp e seu presidente Jerson Kelman para que a Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo suspenda as propagandas institucionais que vem realizando desde o dia 2 de julho e pague uma multa. 

Para o juiz, como a empresa atua no âmbito do Estado de São Paulo, ela não pode ser proibida de fazer publicidade institucional durante o período das eleições municipais.

Como 2016 é um ano eleitoral, é vedado aos órgãos públicos fazer propaganda, ainda que institucional e sem mencionar nenhum partido ou político no período de três meses antes da votação.

Para o Ministério Público Eleitoral, como a Sabesp presta serviços de saneamento na capital paulista ela deveria se enquadrar nesta regra. O magistrado, contudo, entendeu que a regra não se aplica neste caso, pois a empresa está fora da circunscrição do município, onde ocorrerá a eleição.

“Não há impedimento para que Prefeito autorize a realização de propaganda institucional nos três meses anteriores a pleito estadual, federal ou presidencial. Do mesmo modo, nada obsta que Governador de Estado autorize propaganda no trimestre que anteceder eleições municipais”, assinalou Sidney Braga.

“Em resumo, a contratação da Sabesp, sociedade de economia mista controlada pela Fazenda do Estado de São Paulo, para prestação de serviços de fornecimento de água e esgoto não a equipara ao ente municipal contratante (Município de São Paulo), o que afasta a incidência da vedação de publicidade institucional após 02 de julho em ano de pleito eleitoral exclusivamente municipal, sendo certo, ainda, que o fato de um dos cinco diretores da Sabesp ser filiado a um partido político (que não é o partido do Prefeito) não modifica a análise supra!”, conclui o juiz.

Cabe recurso.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s