Light quer fechar comprador para fatia na Renova

A Renova Energia tem enfrentado dificuldades para tocar plano de investimentos, o que já fez a companhia a pedir mais recursos e cancelar empreendimentos

São Paulo – A geradora e distribuidora de eletricidade Light pretende encontrar um comprador para sua fatia na empresa de geração renovável Renova Energia até o final do ano, afirmou nesta segunda-feira a presidente da companhia, Ana Marta Horta Veloso, durante teleconferência com investidores.

A Renova Energia tem enfrentado dificuldades para tocar um bilionário plano de investimentos, o que já fez a companhia a pedir mais recursos a seus sócios e cancelar empreendimentos.

A Light detém uma participação de 16 por cento na Renova, onde tem como sócia sua controladora, a mineira Cemig.

“O vendedor não controla muito o timing, depende um pouco do desejo do comprador, mas nossa vontade é fechar isso até o final do ano”, disse a executiva. “Estamos em conversas já relativamente avançadas com alguns possíveis compradores”, adicionou, sem abrir nomes.

A Light aportou 40 milhões de reais na Renova no primeiro semestre, mas segundo Ana Marta os recursos foram apenas para preservar os investimentos já feitos na companhia até a negociação ser concluída.

“Foi um aporte mais focado na preservação do ativo, tendo em vista que a gente realmente está em processo de venda.” Ela disse que os investimentos da companhia na hidrelétrica de Belo Monte estão “em linha similar”.

A hidrelétrica do Xingu, que já iniciou a operação mas ainda está em obras, já recebeu 64,7 milhões de reais da Light no semestre.

Assim como na Renova, a Light tem a Cemig como sócia na usina –as duas somam 9,7 por cento de participação no empreendimento, orçado em 34 bilhões de reais.

A presidente da Light disse que o ritmo dos aportes da empresa em Belo Monte pode cair ainda neste ano se a Eletrobras, que é majoritária na usina, voltar a honrar seus compromissos junto aos demais sócios.

Em sérias dificuldades de caixa após somar prejuízos de mais de 30 bilhões de reais em quatro anos, a Eletrobras não tem aportado recursos em Belo Monte junto com os demais acionistas, segundo Ana Marta.

“Com a chegada da nova direção da Eletrobras a gente espera que a inadimplência… possa ser equacionada… a Light está aportando o recurso necessário para que esse ativo não se deteriore”.

A Eletrobras conta desde o final de julho com uma nova direção –o ex-presidente da CPFL Energia Wilson Ferreira Jr. assumiu o comando da estatal, enquanto o consultor José Luiz Alquéres assumiu a presidência do Conselho de Administração.

Nesta segunda-feira, o Valor Econômico publicou entrevista com o presidente da Cemig no qual o executivo comentou que a elétrica mineira pode se desfazer de diversos ativos, entre os quais parte ou a totalidade de sua participação em Belo Monte.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s