Por que Elon Musk quer pousar um foguete em um drone no mar?

A SpaceX tem grandes motivos para continuar tentando aperfeiçoar essa técnica de pouso no mar, apesar das imensas dificuldades

A SpaceX fez história no mês passado ao aterrissar um dos segmentos de seu foguete Falcon 9.

A empresa de Elon Musk agora quer executar o mesmo feito em um barco-drone no Oceano Pacífico, uma manobra tentada duas vezes anteriormente, sem sucesso, na costa da Flórida.

A tentativa de pouso no mar será realizada no domingo, após o lançamento programado do satélite Jason-3 da Base da Força Aérea de Vandenberg, na Califórnia.

A SpaceX tem grandes motivos para continuar tentando aperfeiçoar essa técnica de pouso no mar, apesar das imensas dificuldades técnicas de tentar reduzir a velocidade de um foguete que viaja a aproximadamente 8.000 km/h e pousá-lo em uma plataforma flutuante.

Um deles é que os foguetes espaciais que retornam da órbita lunar, de Marte ou de outros lugares distantes no sistema solar voam a velocidades muito superiores às de uma órbita terrestre baixa de um ônibus espacial da Nasa.

O pouso em um barco no mar oferece uma margem de segurança maior, especialmente agora que a SpaceX está se aventurando em lugares mais distantes no espaço, disse Scott Pace, diretor do Instituto de Política Espacial da Universidade George Washington.

“Se o retorno ocorre a uma velocidade mais elevada, um pequeno erro pode significar uma grande diferença na distância”, disse ele. “Por razões de segurança, há uma área maior para trabalhar com um navio-drone”.

Um navio-drone também oferece à SpaceX uma flexibilidade maior para pousos, considerando o potencial de que os portos espaciais em terra se tornem disputados, disse ele.

Para o lançamento de domingo, há outra consideração ainda mais prática a se fazer: a SpaceX não tem plataforma de pouso em Vandenberg.

No pouso bem-sucedido de um foguete realizado no dia 21 de dezembro, a Falcon 9 da SpaceX tocou o chão menos de 10 minutos após o lançamento em um lugar localizado cerca de 10 quilômetros ao sul da plataforma de lançamento, em Cabo Canaveral.

Missão marciana

Musk fundou a SpaceX em 2002 com o objetivo final de ir a Marte e possibilitar que as pessoas vivam em outros planetas.

Para a SpaceX, os foguetes reutilizáveis capazes de pousar — diferentemente do modelo tradicional, em que o foguete entra em combustão no retorno — são um aspecto fundamental da redução do custo para atingir a órbita.

Musk tem dito que um foguete totalmente e rapidamente reutilizável é a única forma de possibilitar que os humanos viajem de e para a Lua e Marte.

Musk batizou o navio-drone Just Read the Instructions (Apenas Leia as Instruções), um aceno literário ao falecido escritor escocês de ficção científica Iain M. Banks. Ele oferece uma zona de pouso de 150 a 250 pés (45 a 76 metros).

O navio-drone estará no litoral do sul da Califórnia, mas o pouso ocorrerá em um ponto distante no mar, o que provavelmente impedirá que os fãs de foguetes que se reunirão para assistir o lançamento vejam a conclusão.

O primeiro segmento do foguete se separa no limite da atmosfera terrestre e a trajetória de retorno dele o coloca a centenas de quilômetros da costa.

Pouso em barcaça

A SpaceX testou pela primeira vez a capacidade da Falcon 9 de repousar suas pernas de aterrissagem em uma barcaça há um ano.

Em uma das tentativas, o foguete de 14 andares de altura ficou sem fluido hidráulico pouco antes de atingir o barco e rompeu-se em pedaços.

Outro teste programado para fevereiro de 2015 foi cancelado por causa do mar agitado. Em uma terceira tentativa, em abril passado, o foguete aterrissou com muita força e não aguentou o impacto.

Na quinta-feira, meteorologistas da Força Aérea dos EUA previram “uma chance de 100 por cento de clima favorável” para o lançamento, na manhã de domingo.

O satélite Jason-3 que está sendo levado ao espaço — um projeto liderado pela Nasa, pela Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA e por duas parceiras europeias — foi desenvolvido para estudar a superfície do oceano em busca de dados sobre a mudança do nível do mar e para uma previsão melhor de furacões.

Enquanto isso, a SpaceX, a Orbital ATK e a Sierra Nevada conseguiram contratos, na quinta-feira, para o transporte de cargas para a Estação Espacial Internacional em uma iniciativa da Nasa para privatizar os voos espaciais de rotina.

A primeira missão está programada para 2019.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s