Queiroz Galvão tenta desbloquear R$ 163 milhões no STJ

Durante investigações da Lava Jato, o juiz federal Sérgio Moro determinou o sequestro desse dinheiro da construtora

São Paulo – A Construtora Queiroz Galvão, investigada na Operação Lava Jato, tenta no Superior Tribunal de Justiça (STJ) derrubar uma decisão do juiz federal Sérgio Moro que determinou liminarmente o sequestro de mais de R$ 163 milhões.

O valor seria pago pelo governo de Alagoas ao grupo como precatório.

A Quinta Turma da Corte vai julgar o recurso nesta terça-feira, 28. A relatoria é do ministro Felix Fisher. Também compõem a 5ª Turma, os ministros Jorge Mussi; Reynaldo Soares da Fonseca, Ribeiro Dantas e Joel Paciornik.

Em abril do ano passado, a Justiça Federal no Paraná sequestrou R$ 163 milhões da Queiroz Galvão.

A medida é relativa a um crédito de precatório da empreiteira junto ao Estado de Alagoas e não tem relação com o cartel de empreiteiras que assumiram o controle de contratos bilionários na Petrobras.

Perante a Justiça de Alagoas a empreiteira alegou não ter recebido o valor relativo a uma obra.

Quando decretou o sequestro, o juiz Sérgio Moro ressaltou que como o valor do precatório ainda não estava no caixa da construtora o bloqueio não atingiria a liquidez da empresa.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s