Vale nega responsabilidade legal pelo desastre de Mariana

Um mês depois do desastre, ela também disse não saber quando as investigações sobre as causas e extensão dos danos seriam concluídas

São Paulo – “Não, a Vale não é responsável legal (pelo desabamento das barragens da Samarco em Mariana”, disse Clóvis Torres, consultor-geral da mineradora.

“Pode até se discutir se nós temos responsabilidade como acionistas da Samarco, mas como responsável legal, não”, disse ele, em evento para jornalistas e investidores em Nova York.

A Vale disse que criará um fundo privado e voluntário, ao lado de sua sócia na Samarco, a BHP Billiton

No entanto, não informou o valor do fundo ou como ele seria aplicado. Um mês depois do desastre, ela também disse não saber quando as investigações sobre as causas e extensão dos danos seriam concluídas.

Os governos federal, de Minas Gerais e do Espírito Santo irão pedir 20 bilhões de reais contra as mineradoras Samarco, Vale e BHP. A ação de reparação de danos será direcionada para um fundo de recuperação ambiental do vale do Rio Doce.

No entanto, a mineradora negou ter conhecimento dessa ação. “Até agora, não temos notícia de nenhuma ação deste montante. Quando chegar, iremos analisar e ver qual caminho seguir”, disse Torres.

Para a mineradora, “ainda há muita especulação” sobre os custos e tempo de recuperação do rio. A empresa ainda disse que está “fazendo uma investigação independente”.

Questionado sobre o motivo do rompimento das barragens, Murilo Ferreira, presidente da mineradora, afirmou que “seria imprudência culpar alguém nessa situação, sem que pessoas com grande conhecimento tenham feito uma análise detalhada do que aconteceu”.

O rio Doce, local de fundação da Vale, foi o caminho seguido pela lama e rejeitos da barragem de mineração até o mar. Pelo percurso, milhares de peixes mortos, abastecimento de água afetado e ecossistema marinho totalmente alterado.

Obstáculos

Antes mesmo do desastre, o ano já não estava fácil para a Vale. A companhia teve o maior prejuízo entre as abertas brasileiras: 6,66 bilhões de reais negativos no terceiro trimestre, ante prejuízo de 3,38 bilhões do ano passado.

Hoje, a empresa anunciou que reduzirá os investimentos de 2016 para 6,2 bilhões de dólares. É o quinto ano em que ela reduz as previsões de investimentos.

Em meio a essas dificuldades, a agência de risco Fitch rebaixou a nota da Vale, colocando a mineradora em observação negativa.

Para a Vale, “a queda de classificação da Fitch tem muito mais a ver com a queda do preços das commodities”, disse o presidente da instituição. A empresa também citou a diminuição da demanda por metais no mundo como desafio.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s