Vestas poderá financiar venda de turbinas eólicas pelo BNDES

A companhia iniciará a produção em uma unidade em Aquiraz, no Ceará, ainda neste ano, com a previsão de entrega dos primeiros equipamentos já em janeiro

São Paulo – A fabricante de turbinas eólicas Vestas obteve certificação de conteúdo local do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o que permite à companhia oferecer aos clientes no Brasil máquinas com financiamento do banco de fomento, disse à Reuters o gerente geral da empresa no país.

A companhia iniciará a produção em uma unidade em Aquiraz, no Ceará, ainda neste ano, com a previsão de entrega dos primeiros equipamentos já em janeiro, segundo o gerente local da companhia dinamarquesa, Rogério Zampronha.

“A Vestas aprovou em 2014 um plano de investimentos para o Brasil que envolvia a construção de uma fábrica e o credenciamento do BNDES até o final de 2015. Para nós é um motivo de celebração que isso tenha sido meticulosamente cumprido, o que dá mostras de nosso plano de longo prazo para o Brasil”, disse Zampronha.

O executivo destacou que o Brasil está, junto com China e Índia, em um grupo de países em que a Vestas definiu como prioritários devido ao grande potencial para a energia eólica.

“O Brasil tem os melhores ventos do mundo… isso confere ao mercado eólico brasileiro uma vantagem competitiva bastante grande frente a outros mercados mundo afora… Há um potencial de expansão brutal nos próximos anos”, afirmou Zampronha.

A fábrica no Ceará recebeu investimentos de cerca de 100 milhões de reais. A empresa já possui 286 megawatts em equipamentos negociados que serão produzidos localmente.

“Se mesmo sem a fábrica já firmamos esses contratos, agora com a fábrica… temos vários outros contratos já compromissados, com taxa de reserva paga, e que virarão pedidos firmes nos próximos meses”, apontou.

Além dos negócios recém-fechados ou em andamento, a Vestas possui 713 megawatts em turbinas eólicas já em plena operação no Brasil.

Zampronha não quis relevar com que capacidade a fábrica no Ceará irá operar, mas garantiu que há espaço para aumentar gradativamente a produção.

“Podemos produzir bastante, mas nossa limitação existe em função da cadeia de fornecedores, que está sendo azeitada. Quando isso estiver acertado, vai permitir que a gente atinja uma fatia de mercado que consideramos justa de acordo com a história da Vestas no mercado mundial”, disse o executivo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s